menu

Pernambuco

24/04/2017


Uber indisponível em locais considerados mais violentos pelos motoristas

As localidades do Coque, Joana Bezerra, Bode, Córrego do Euclides, Córrego do Jenipapo, Alto Santa Terezinha, Dois Unidos são rotas que vem sendo negadas pelo aplicativo Uber no Recife. De acordo com o diretor de comunicação e imprensa do Sindicato dos Motoristas de Transporte Privado Individual de Passageiros por Aplicativos do Estado de Pernambuco, (Simprapli-PE), desde março, os chamados feitos dessas comunidades não estão sendo atendidos. "Diante dos casos de assaltos e principalmente depois de três assassinatos de motoristas, o Uber começou a trabalhar no Recife como já faz em São Paulo, no Rio de Janeiro e também em outros países. Quando o usuário faz o pedido a partir dessas áreas, recebe a mensagem 'aplicativo indisponível por questões de segurança pública', explica Thiago, acrescentando que após a medida, o número de casos de violência diminuiu de 80% a 90% na Região Metropolitana do Recife (RMR).

O presidente do sindicato, Everaldo Pereira, lembra que a restrição atinge apenas o local de origem. Os passageiros continuam sendo levados para essas comunidades. "Os motoristas parceiros deixam os clientes no Coque e Joana Bezerra, por exemplo, mas não vão até essas áreas para iniciar uma corrida". Segundo ele, a empresa vinha recebendo reclamações dos trabalhadores sobre assaltos e tentativas de assaltos e fez um mapeamento dessas áreas em que os casos vinham acontecendo com mais frequência. "Claro que assalto acontece em todo lugar, mas em alguns locais tem acontecido mais", pontua.

Em paralelo, o sindicato alega que continua cobrando medidas de segurança para a categoria. "Na verdade, qualquer problema relacionado à segurança pública não pode ser resolvido pela plataforma. Por isso temos procurado o governo do estado e nos reunimos com a Secretaria Executiva de Defesa Social, Polícia Civil e Militar", garante Thiago Silva. Além disso, como medida de precaução, os motoristas vêm solicitando dados de CPF do cliente, mesmo quando o pagamento é feito em dinheiro. Seria uma forma de identificar a pessoa, diminuindo os riscos de assaltos.

Diário de Pernambuco

Notícias relacionadas