menu

Brasil

13/06/2014


‘Vai perder quem misturar política com a Copa’, afirma Padilha

Opinião

Pré-candidato do PT ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha afirmou nesta quinta-feira (12) que vai perder quem misturar política com a Copa.

Segundo o petista, o brasileiro não aceita que o evento esportivo tenha conotação política. Ele disse que não notou as vaias que presidente Dilma Rousseff recebeu na abertura do campeonato. "Eu só vi vibração", afirmou Padilha.

"Agora é Copa. O grande erro é quem quer misturar política com a Copa. Vai perder quem quer misturar politica com a Copa. O povo brasileiro não admite a mistura de política e com a Copa", completou.

Ex-ministro da Saúde do governo Dilma, Padilha assistiu ao jogo em um telão instalado na quadra da escola de samba Vai-Vai. Ele chegou ao local no início da tarde, onde experimentou uma feijoada. O petista foi bastante assediados por jovens principalmente ligados à União da Juventude Socialista que fizeram músicas para ele e dispararam seguidos "selfies".

Questionado se os políticos estão evitando multidões, Padilha afirmou que tem adotado outra postura. "Eu estou na multidão. Estou no povo, vim na escola de samba que é do meu bairro. Estou aqui direto na Vai-vai, com essa juventude que apostou na Copa. Sabia que a Copa ia mostrar o Brasil do jeito que é, com nossas qualidades e nossos problemas. Vamos ganhar a Copa e vamos continuar trabalhando para enfrenta os problemas que o Brasil tem pela frente", disse.

Padilha afirmou que a seleção brasileira venceu a Croácia por 3 a 1 no sufoco, mas com desempenho de campeão. "Foi uma vitória com cara de campeão".

Para ele, o melhor em campo foi o jogador Oscar, que marcou um dos gols e ainda ganhou a bola que deu origem ao primeiro gol e tocou para Fred no lance que o atacante sofreu o pênalti.

Ele ainda elogiou Neymar "que chamou para si na hora se resolver o jogo". Padilha destacou ainda que a Copa é um marco para a Zona Leste de São Paulo. "Nunca antes na história desse país a Zona Leste virou o centro do mundo durante 90 minutos".

(do iG)

Notícias relacionadas