menu

Política

24/04/2020


Walter Santos: como Moro politizou a Polícia Federal e a Justiça, e agora é vítima disso

A última sexta-feira de abril de 2020 ficará na história como o dia em que, mais uma vez, o “feitiço caiu sobre o feiticeiro”, abandonado, e reclamando de “imposturas ” adotadas neste tempo contra ele, embora a vida prove que o problema de hoje ele experimentou primeiro construindo o enredo da maldição contra o ex-presidente Lula para apoiar e fazer existir todos os atrasos em torno de Jair Bolsonaro. Moro sai do episódio em curso pego pela filosofia popular que diz, e minha mãe Maria Júlia repetia muito: “aqui se faz, aqui se paga”.

A narrativa de Sérgio Moro expõe na atualidade a constatação da mentira construída por ele e transformada em realidade no Brasil pela Direita odienta com todo o conjunto representado pelo Presidente Fake Bolsonaro, agora com parte desnudada diante da verdade revelada pelo mentor de toda fraude.

Bolsonaro é Miliciano, foi inventado por Bannon/Carluxo, mas bancado por Moro e a Elite /Rede Globo, por isso significou até hoje  tudo de mentira que o é, assim por conta das fake News existe até hoje artificialmente.

Moro vai infartar por reconhecer e saber disso, em síntese, de ser criador desta maluquice institucional grave.

MENTE QUANDO NEGA A POLITIZAÇÃO

Sérgio Moro com a cumplicidade criminosa do procurador federal Dallagnol, o famoso Robin de Curitiba, está pagando o preço ainda pequeno pelo papel de manipulador político a serviço do capital estrangeiro, em especial das ordens americanas, para levar o País a este descalabro político, econômico e institucional.

Foi ele quem politizou a justiça Federal, o MPF e a PF – hoje reconhecida por ele como soberana mais na época de Dilma- mas usada por ele nos vários níveis, em especial como ministro da Justiça, para impedir a liberdade de Lula e permitir seu justo direito de ser candidato.

Fez mais: não investigou Queiroz, o mandante de Marielle, a participação dos Bolsonaro com as milícias e os indícios de crimes dos três filhos. Ele, Moro, é cúmplice.

A síntese de hoje é que, à exceção dos fanáticos por ódio à Esquerda, o mundo conhecerá a partir de hoje a mediocridade e erros graves cometidos por Sérgio Moro.

Pior: o verá punido e na sarjeta pelo péssimo papel histórico cumprido no Brasil.

Notícias relacionadas