menu

Brasil

03/03/2014


Walter Santos explica como a Rede Globo universalizou o Rio de Janeiro

MIDIA

" O Carnaval do Rio é também apenas um grande elemento fruto da função estratégica da Rede Globo de, em tendo raízes e vínculos com a natureza e a política da Cidade Maravilhosa, transformar todo significado carioca, a partir do samba, da música ampliada esteticamente, as telenovelas, etc, em indústria cultural de força extraordinária oferecendo ao Rio, em contra-partida, toda a sua estratégia de afeto e compromisso de sua defesa como forma inigualável de ser", sintetiza o jornalista Walter Santos, diretor presidente do Grupo WSCOM, analisando a importância estratégica da Rede Globo em transformar o Rio de Janeiro e seus simbolos, como Carnaval, em espetáculo de repercussão e nível internacional.

Eis a integra da análise do Multimidia:

O FANTÁSTICO ESPETÁCULO DO RIO (DA GLOBO) DE JANEIRO

Por Walter Santos

O Brasil de fato deve muito ao universo midiático produzido pela Rede Globo para nivelá-lo como referência cinematográfica em patamar máximo do que se produz em Los Angeles (Hollywood, etc) e em qualquer parte do mundo. O espetáculo da Marques de Sapucaí, no Rio de Janeiro, é uma síntese deste conceito de relevância estratégica ofertando à Globo a primazia de ser a principal responsável pela exuberância que o Samba industrializado oferece ao Mundo com alta qualidade.

A exposição do samba no formato original do que pensava Darcy Ribeiro e materializado por Brizola ao constituir a Marques de Sapucaí está distante do vinculo educacional ao lado dos CAIFs – Centros de Formação, estudantil e humana, pois optou em se transformar no palco do maior espetáculo do mundo, muito além da escola e da apoetose acanhada dos sambistas.

Haja exuberância, mesmo que escondendo o sambista por entre fantasias, substituindo a essência da pureza poética e batida forte dos tambores por uma estética cinematográfica de padrão universal sem dever absolutamente aos estúdios de Hollywood.

Neste particular, o Carnaval do Rio é também apenas um grande elemento fruto da função estratégica da Rede Globo de, em tendo raízes e vínculos com a natureza e a política da Cidade Maravilhosa, transformar todo significado carioca, a partir do samba, da música ampliada esteticamente, as telenovelas, etc, em indústria cultural de força extraordinária oferecendo ao Rio, em contra-partida, toda a sua estratégia de afeto e compromisso de sua defesa como forma inigualável de ser.

Teses à parte, de fato o Rio de Janeiro jamais seria a estatueta de Cidade universal sem o “Plim-Plim” de Roberto Marinho, devedor eterno a Walter Clarck e José Bonifácio (além do bruxo peruano falecido recentemente – o homem das pesquisas e da programação), sem os quais nenhum dos dois grandes símbolos serão do tamanho que são.

A Rede Globo é a essência do Rio.

Notícias relacionadas