menu

09/06/2019


WS revela posição dos governadores do Nordeste na reunião sobre Reforma com quatro condicionantes

O jornalista Walter Santos aborda neste domingo (9) a reunião dos governadores em meio às discussões pela Reforma da Previdência. A vice-governadora Lígia Feliciano irá a Brasília no lugar do governador João Azevedo para representar a Paraíba.

Leia:

‘Semana projeta debate decisivo sobre Reforma; Nordeste se impõe com 4 condições. Lígia representará Paraíba

A Semana começa projetando nova reunião fundamental no trato da Reforma Previdenciária na qual os governadores do Nordeste devem se impor com contra-ponto à proposta original renovando 4 condições para ajustar o projeto de forma a preservar valores sociais indispensáveis.

Na reunião em que a vice-governadora Lígia Feliciano será a representante da Paraíba já que João Azevêdo não poderá ir, é muito provável que o presidente do Consórcio Nordeste, governador Rui Costa, relembre os pontos inegociáveis do Nordeste.

AS CONDIÇÕES
Rui Costa pondera que o ponto número um e retirar da Constituição o normativo da Previdência porque, conforme argumenta, Previdência é um planejamento de vida e não pode estar sendo alterado a cada quatro anos que muda o governante, por isso é preciso ter uma perenidade para que as pessoas planejem a sua aposentadoria.

O segundo ponto, segundo ele, é a inclusão da capitalização na Previdência. Rui Costa entende em nome dos governadores é incompreensível e inadmissível.

– Essa proposta é inaceitável porque não existe esse modelo em nenhum país desenvolvido do mundo, além do mais há o aspecto nefasto da capitalização é que ao contrário de sanear as contas públicas, isso vai provocar um gigantesco rombo nas contas públicas porque hoje, toda vez que eu, por exemplo, faço um concurso público a contribuição dos novos ajuda a cobrir déficit dos antigos.

E conclui: ” Há uma estimativa que esse rombo, nos primeiros anos, pode alcançar R$ 900 milhões”.

Por fim, Rui Costa aponta que terceiro e quarto itens defendidos por todos os governadores do Nordeste são a aposentadoria rural, pois se refere a pessoas muito pobres e com a proposta vão perder benefícios pessoas idosas que trabalharam a vida inteira na zona rural e que usam o dinheiro para sobreviver e o benefício para pessoas com deficiência

– Benefício de ação continuada que ninguém nunca ousou na história do Brasil mexer nesse benefício. Esses quatro pontos nós consideramos intransponíveis, completou.’

Portal WSCOM

Notícias relacionadas