Política

Perder oportunidade da tecnologia 5G significará décadas de atraso, diz Mourão

Segundo o vice-presidente, a instalação da tecnologia 5G deverá ser feita de forma segura, protegendo os conhecimentos brasileiros sensíveis e a privacidad

08/09/2020


Revista Nordeste

O vice-presidente da República Hamilton Mourão disse que “o Brasil não pode perder o bonde da história e deixar de embarcar nessa tecnologia 5G junto com o resto do mundo”, em referência a implementação do tecnologia diante a guerra comercial entre Estados Unidos e China. Segundo ele, “perder essa janela de oportunidade significará décadas de atraso e prejuízo para a nossa sociedade”, disse Mourão nesta terça-feira (8), em vídeo transmitido durante evento das telecomunicações Painel Telebrasil 2020.

De acordo com Mourão, o Ministério da Ciência e Tecnologia, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e o Gabinete de Segurança Institucional estão trabalhando para estabelecer parâmetros técnicos adequados para o processo licitatório de instalação da rede 5G.

Segundo o vice-presidente, a instalação da tecnologia 5G deverá ser feita de forma segura, protegendo os conhecimentos brasileiros sensíveis e a privacidade e considerando princípios da eficiência, economicidade e segurança.

Guerra do 5G

Os EUA têm feito lobby junto ao governo brasileiro para que a chinesa Huawei seja vetada dos leilões, sob o argumento de que há ameaça à soberania nacional. A empresa é a maior fabricante de equipamentos de telecomunicações do mundo e o principal nome na corrida pelo oferecimento de tecnologia 5G.

Washington argumenta que a empresa é um braço de vigilância do Partido Comunista Chinês. Os chineses negam. Para os americanos, um “caminho limpo” de 5G pressupõe que fornecedores não confiáveis – como a Huawei, na visão dos EUA – devem ser banidos do oferecimento de equipamentos de transmissão, controle ou armazenamento.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.