A reação aos novos ataques dos EUA no Iraque com morte do líder 2 do Irã; eis  efeitos da manobra com Rússia e China, a já tensão forte e a reeleição de Trump

04/01/2020


A reação aos novos ataques dos EUA no Iraque com morte do líder 2 do Irã; eis  efeitos da manobra com Rússia e China, a já tensão forte e a reeleição de Trump

Parece difícil entender, mas qualquer esforço mínimo compreenderá que a ultradireita armamentista está bancando a força bruta do presidente Donald Trump ao comandar  pessoalmente a morte do general número 2 do Irã com reação brutal no mundo. Há quem aposte todas as fichas nesta crise como retaliação às manobras navais do Irã com Rússia e China neste contexto está a reeleição de Trump. Tem tudo a ver .

O mundo civilizado reage à estratégia brutal do presidente americano com auxílio de Israel,embora na ótica deles a causa “justifica” os meios pelo fato do general iraniano ter sido o maior articulador na região  contra essas forças. Só que o Irã pensa o contrário e vai retaliar.

ALÉM DA GUERRA DO PETRÓLEO

Embora o Irã não durma um só instante pensando em vingança, a causa prolatada nos meios internacionais é de que o general morto articulou várias frentes no Oriente contra EUA/ISRAEL, mas a causa de agora foi a manobra naval do Irã com Rússia e China no Oriente Médio. E isto vai ter peso.

Na prática, a indústria armamentista americana deve estar por trás deste novo momento de confronto temeroso, onde já se fala em terceira guerra mundial, mesmo precisando aguardar as reações práticas do Irã, China e Rússia diante dos EUA.

Trump jogou pesado nesta fase da reeleição devendo manter os radicais de ultradireita e a reação moderada em contra ponto. Corre risco do impeachment com a nova fase, embora tenha maioria no Senado.

Ele aposta na estupidez. E, como dizia Isaac Newton, a cada reação corresponde outra igual e contrária, no caso agora vezes dois.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.