Política

Renan Calheiros diz que Queiroga entregou os anéis para não perder o cargo

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid, avaliou o novo depoimento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, à comissão nesta terça-feira (8).

Segundo Renan, Queiroga inaugurou uma nova etapa do negacionismo. “O neonegacionismo. Finalmente, admitiu a ineficácia da cloroquina, mas continua sem coragem de tirá-la das normas do MS [Ministério da Saúde]”, afirmou o relator da CPI.

Renan Calheiros apontou também que Queiroga disse à CPI não conhecer o chamado “gabinete paralelo”, que defendia medicamentos sem eficácia para a Covid, como a cloroquina, mas conhece os seus integrantes.

Para o relator da CPI, Queiroga entregou os anéis para não perder o cargo. “Disse que não tem  nenhum infectologista no ministério, mas não soube quantos ex-militares exercem funções sem especialidade. Blindou o presidente e disse ter sido ele quem vetou a médica Luana Araújo. É a favor da Copa América, mas dispensa a vacinação dos jogadores. Queiroga é como um João Bobo: vai para um lado, vai para o outro. Entrega os anéis para não perder o cargo”, afirmou Renan Calheiros.

Em seu primeiro depoimento à CPI, no dia 10 de maio, o ministro Marcelo Queiroga utilizou como argumento central para desviar das perguntas dos senadores foi o de que medicamentos como cloroquina, ivermectina e outros que compõem o “kit Covid” não haviam passado pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) e que, por conta disso, ele não poderia comentar.

Com 247


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp