Brasil

Rodrigo Maia defende aprovação rápida de programa de renda minima voltado aos 18 milhões de informais

17/03/2020


Por Adriana Fernandes e Jussara Soares, do Estadão

Brasília, 17/03/2020 – Evitando reagir aos ataques do presidente Jair Bolsonaro que acusou o Congresso de usar a crise do coronavírus para uma “luta de poder”, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu a aprovação rápida de um programa com um benefício de renda mínima para atender 18 milhões de brasileiros informais que estão na faixa mais vulnerável do mercado de trabalho.

Em entrevista ao Estado, Maia disse que o Brasil vai precisar de uma injeção de dinheiro público para enfrentar a epidemia e evitar a morte de brasileiros. Disse ainda que o parlamento está pronto para votar uma Medida Provisória que permita ampliar o déficit da meta fiscal das contas do governo para permitir a ampliação dos gastos.

Uma das propostas que vêm sendo discutidas é a criação de um programa similar ao Bolsa Família, mas temporário para atender brasileiros que vivem na informalidade. “Está na hora de a gente perder a vergonha, o constrangimento, a dificuldade de alguns de falar abertamente que nós vivemos uma grave crise”, afirmou. Outra proposta discutida com integrantes do governo é um programa de suspensão temporária do emprego pelas empresas a ser bancado pelo seguro desemprego.

Na conversa com o Estado, Maia falou em criar com o governo um “cinturão de soluções” e se recusou a responder ao presidente Bolsonaro.

“Você acha que eu tenho que estar preocupado com o que o Bolsonaro está falando, ou eu tenho que estar preocupado em ajudar o Brasil a conter essa crise?”, questionou.

O presidente da Câmara afirmou que o impeachment, citado pelo próprio presidente Bolsonaro, não está na agenda do Legislativo. “Ele fica arrumando inimigo para arranjar um conflito. É besteira. O problema agora é muito grave”, rebateu.

 


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.