Nordeste

Alceu Valença após desastre no Grande Recife: ‘pauta do meio ambiente deve ser prioridade máxima’

O cantor e compositor disse ter “muita coisa errada” e “pouco investimento em soluções sustentáveis”

247 – O cantor e compositor Alceu Valente alertou para os prejuízos à população do Grande Recife por causa das chuvas que atingem o estado deste a semana passada e afirmou ser necessário “colocar o assunto meio ambiente na pauta como prioridade máxima”. Mais de 90 pessoas morreram na região metropolitana da capital desde a última quarta-feira (25), quando foi notificada em primeira morte em consequências de chuvas e deslizamentos de barreiras. Mais de cinco mil estão desabrigados (pessoas que necessitam de abrigo público).

O compositor disse ter “muita coisa errada, muito extrativismo desnecessário, pouco investimento em soluções sustentáveis”. “Como pode existir tanta produção de alimento e fome num mesmo espaço e tempo? Tanta riqueza sugada da terra, rios e mares junto com uma escalada veloz da miséria?”, questionou.

De acordo com o artista, é “preciso entender que os efeitos climáticos não têm fronteiras: o desmatamento, por exemplo, em uma Região, afeta outras, em um país, atinge outros”. “Mudanças climáticas fazem parte da dinâmica da Terra, mas ações inconsequentes e irresponsáveis têm efeito imediato. É preciso um trabalho constante, incessante para equilibrar urbanismo e natureza”, disse em postagem no Instagram.

“Antes de completar 1 semestre em 2022, vivenciamos diversas tragédias sociais provocadas não só pelo excesso de chuvas, mas, sobretudo pelo descaso dos governos, das empresas e de cada um que não tem consciência ambiental no seu dia a dia”, acrescentou.

O cantor também lembrou que, em 1992, “já inconformado com a destruição do meio ambiente”, fez a música Desprezo no álbum Sete Desejos:

A todo inimigo da fauna, da flora
Aquele que promove a poluição
Aos donos do dinheiro e a quem nos devora
Aos ratos e gatunos de toda nação
Sim, vai pra toda essa gente ruim
Meu desprezo, e será sempre assim
Já não temos nenhuma ilusão
Aos donos da verdade, pobres criaturas
Aos pulhas e covardes sem opinião
A todo populista, traidor do povo
A todo demagogo, todo mau patrão
Sim, vai pra toda essa gente ruim
Meu desprezo, e será sempre assim
Já não temos nenhuma ilusão
Aos sete justiceiros do planeta Terra

Os mesmos agiotas desse mundo cão
Aos grandes predadores dessa nova era
Vetores da miséria, eu lhes digo: não
Sim, vai pra toda essa gente ruim
Meu desprezo, e será sempre assim
Já não temos nenhuma ilusão

*Brasil247


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp