Internacional

Após protestos, Chile decide por ampla maioria que terá nova Constituição

Votos a favor de novo texto constitucional chegam a 78,2%, com quase 100% das urnas apuradas. Manifestantes voltaram à Praça Itália, em Santiago, após o término da votação.

26/10/2020


Manifestantes comemoram vitória do 'sim' para nova Constituição no Chile, após plebiscito neste domingo (25). — Foto: REUTERS/Ivan Alvarado

Eleitores decidiram por ampla maioria que o Chile terá uma nova Constituição, indica a apuração do plebiscito histórico organizado nesse domingo (25), um ano depois da onda de protestos que tomaram o país.

Com 99,7% das urnas apuradas, os resultados apontavam 78,2% dos votos como favoráveis a uma nova Constituição. Além disso, 79% preferiam que o texto seja debatido por uma nova comissão a ser eleita posteriormente.

Logo após o fechamento das urnas, centenas de manifestantes voltaram à Praça Itália, em Santiago. O local se tornou um símbolo dos protestos que tomaram o Chile em 2019 e que levaram à proposta de uma nova Constituição.

Com a decisão deste domingo, os chilenos devem escolher quem comporá a comissão constituinte. Depois que o novo texto for debatido e aprovado por esse grupo, outro plebiscito — provavelmente em 2022 — decidirá se o Chile adotará ou não a nova Constituição.

Em pronunciamento, o presidente do Chile, Sebastián Piñera, elogiou o processo eleitoral. “Hoje, triunfaram a cidadania, a democracia e a paz sobre a violência”, afirmou.

“Uma nova Constituição nunca parte do zero”, acrescentou o presidente.

Logo no início da apuração dos votos, a classe política chilena já reconhecia a vitória dos votos favoráveis ao novo texto constitucional. O senador Juan Antonio Coloma, que capitaneava a campanha contra a mudança de Constituição, admitiu derrota apenas 50 minutos depois do fechamento das urnas.

“São resultados bem contundentes. Ainda estamos com percentuais baixos, mas a tendência é claríssima. A democracia é assim e creio que o processo deve seguir adiante”, disse Coloma.
A atual Constituição data da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), mas sofreu emendas e modificações que a tornam bem diferente do texto formatado pelos militares décadas atrás.

Protestos no Chile
A proposta de uma nova Constituição surgiu depois que protestos se espalharam por todo o Chile em outubro de 2019. Manifestações que começaram como um descontentamento pelo aumento no preço da passagem de metrô logo se transformaram em uma revolta generalizada com a classe política chilena.

Com os protestos e a violência policial, a popularidade de Piñera despencou. O presidente, então, propôs medidas paliativas para lidar com os manifestantes, até que os pedidos por uma nova Constituição tomaram corpo. Assim, com apoio do Parlamento, o Chile decidiu fazer um plebiscito para decidir se muda a Carta Magna.

A votação estava prevista para o primeiro semestre, mas a pandemia do novo coronavírus levou ao adiamento do pleito. Eleitores tiveram de usar máscaras e levar as próprias canetas para votar, como medidas de prevenção.

Mesmo com a pandemia e com a decisão de se fazer um plebiscito, os movimentos sociais no Chile não retrocederam — inclusive com cenas de violência e depredação. Na semana passada, o incêndio de uma igreja em Santiago causou revolta no país, mesmo entre apoiadores dos protestos e de uma nova Constituição. As informações são do G1.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.