Ceará

Após ser hostilizado por apoiadores de Bolsonaro, padre deve entrar para programa de proteção

Após ter sido hostilizado por um apoiador de Jair Bolsonaro, o padre Lino Allegri, de 82 anos, deve ingressar no Programa Estadual de Proteção aos Defensores e Defensoras de Direitos Humanos (PPDDH). A informações do Diário do Nordeste.

 

O padre foi agredido verbalmente duas vezes durante as missas celebradas em Fortaleza, no mês de julho.

 

O pedido de inserção do padre no programa de proteção foi feito por membros do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos (CEDDH), da Defensoria Pública do Ceará (DPCE) e do Ministério Público do Estado (MPCE).

 

Uma das agressões ocorreram enquanto o pároco realizava um ato litúrgico na manhã do último domingo (11). A celebração era transmitida pela internet. O homem entra na Paróquia Nossa Senhora da Paz e começa a gritar com o padre iizendo que “este padre [Lino Allegri] transformou o altar em um palanque político”.

 

Uma das agressões ocorreram enquanto o pároco realizava um ato litúrgico na manhã do último domingo (11). A celebração era transmitida pela internet. O homem entra na Paróquia Nossa Senhora da Paz e começa a gritar com o padre dizendo que “este padre [Lino Allegri] transformou o altar em um palanque político”.

 

Uma semana antes, em 4 de julho, Lino foi ofendido por um grupo de pelo menos oito pessoas. As agressões verbais ocorreram logo que o padre começou a lamentar as mais de 500 mil mortes causadas pela pandemia de Covid-19 no Brasil.

 

“Espero que isso possa ajudar nessa proteção contra proteção que nós [da Paróquia Nossa Senhora da Paz] estamos recebendo. Elas são concretas”, disse o padre, em entrevista ao jornal cearense.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp