Brasil

Bolsonaro ataca TSE e diz que acordo com WhatsApp para combater fake news “não vai ser cumprido”

Em mais um ataque às instituições democráticas, Jair Bolsonaro disse que o acordo entre o tribunal e o aplicativo é “inaceitável, inadmissível e inconcebível”

247 – Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (15) que o governo não cumprirá o acordo feito em fevereiro entre o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o WhatsApp para combater a disseminação de informações falsas nas eleições de 2022. Segundo Bolsonaro, o acordo é “inaceitável, inadmissível e inconcebível”.

“Não vai ser cumprido esse acordo que porventura eles realmente tenham feito com o Brasil com informações que eu tenho até esse momento”, disse ele, que foi a uma motociata em São Paulo.

A declaração de Bolsonaro é mais um ataque à democracia. Desde que assumiu o governo, ele vem fazendo ataques a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), do TSE e tem colocado em dúvida a confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro, com o objetivo de passar à sociedade a mensagem de que os problemas do país estão nas instituições e não na sua falta de governabilidade.

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta sexta (15) o acordo entre o WhatsApp e o TSE contra fake news nas eleições. Em discurso a apoiadores, Bolsonaro afirmou que o acordo “não tem validade” e que o governo sabe “como proceder” #VisãoCNN #CNNnasEleições #06deAgostoTemDebate pic.twitter.com/OlmYIA1LZd

— CNN Brasil (@CNNBrasil) April 15, 2022

Segundo informações publicadas pelo TSE em fevereiro, o WhatsApp terá que “implementar ou a auxiliar a implementação de uma série de iniciativas para a difusão de informações confiáveis e de qualidade sobre o processo eleitoral, como o acesso de inteface à Business Application Programming Inteface (“API”) do aplicativo e o desenvolvimento em conjunto de stickers sobre eleições para serem veiculados no app”.

“Pelo acordo, o WhatsApp também capacitará colaboradores do Facebook Serviços Online do Brasil Ltda. para que possam conduzir seminários para os servidores do TSE e dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) sobre o aplicativo, bem como produzirá uma cartilha com informações sobre o app, com o apoio do TSE”, disse o texto do tribunal.

O aplicativo também “deve auxiliar a implementação de algumas ações para a rápida identificação e contenção de casos e práticas de desinformação”. “Entre elas, está a criação de um canal de comunicação extrajudicial não vinculativo para a denúncia de conteúdos que veiculem desinformação relacionada ao processo eleitoral”, afirmou.

“Outra iniciativa é o aperfeiçoamento do chatbot desenvolvido para as eleições de 2020. Para este ano, o chatbot deverá ter envio de mensagens proativas, assim como aumento nos serviços disponíveis”.

*Brasil247

 


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp