Política

Bolsonaro exonera ministro do Turismo; Álvaro diz que Ramos pediu demissão em grupo de mensagens

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, foi exonerado nesta quarta-feira (9), pelo presidente Jair Bolsonaro, após reunião no Palácio do Planalto. A pasta já era cotada para entrar na reforma ministerial, prevista para fevereiro. No entanto, integrantes do Planalto atribuem a queda de Álvaro Antônio ao ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos.

Marcelo Álvaro escreveu em um grupo de aplicativo de mensagens formado por ministros do governo que o colega Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, pediu a demissão dele ao presidente Jair Bolsonaro. As informações são do G1.

Na mensagem, Álvaro diz que Ramos pediu a Bolsonaro para demiti-lo a fim de entregar o cargo para o Centrão, o bloco parlamentar de apoio ao governo na Câmara. Ramos é o responsável pela articulação política do governo com o Congresso. “Não me admira o Sr. Ministro Ramos ir ao PR. pedir minha cabeça, a entrega do Ministério do Turismo ao Centrão para obter êxito na eleição da Câmara dos Deputados”, escreveu ele.

Esta é a 15ª troca de ministros feita pelo governo Bolsonaro desde o início do mandato, em janeiro de 2018. O mais cotado para assumir o lugar de Álvaro Antônio é o presidente da Embratur (Empresa Brasileira de Turismo), o pernambucano Gilson Machado Neto. Há a previsão de que Gilson Machado também se reúna com o presidente ainda hoje.

Fora do cargo, Álvaro Antônio deve reassumir seu mandato como deputado federal por Minas Gerais. Ele é investigado pelo Ministério Público sob suspeita de desviar recursos de campanha por meio de candidaturas de mulheres nas eleições de 2018.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp