Política

Bolsonaro volta a citar dados falsos sobre mortes por Covid

Durante um culto evangélico na cidade de Anápolis, em Goiás, na tarde desta quarta-feira (9), Jair Bolsonaro voltou a citar um relatório com números falsos, que ele atribui ao Tribunal de Contas da União, e que indica que haveria um suposto “superdimensionamento” das mortes por Covid-19 no Brasil.

O documento foi elaborado pelo auditor do TCU Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques com base em seu posicionamento pessoal e já desautorizado pelo Tribunal. Ele inseriu o relatório no sistema do TCU no último domingo (6), um dia antes de Bolsonaro citá-lo pela primeira vez para divulgar a falsa informação de que 50% das mortes na pandemia não ocorreram em decorrência da Covid. O servidor foi afastado, será convocado à CPI da Covid e investigado pela Corregedoria do Tribunal de Contas.

Em sua fala com os evangélicos, Bolsonaro deu entender que as [falsas] tabelas do TCU mostram que, sem o suposto “superdimensionamento”, o Brasil é um dos países que menos se morre, o que é falso. Ele também atribuiu o resultado (inexistente) ao chamado “tratamento precoce”, com base em hidroxicloroquina. E afirmou que as vacinas são “experimentos”.

“Se tirar possíveis fraudes, em 2020, Brasil é país com menor nº de morte/milhão por Covid. Que milagre é esse? Tratamento precoce! Quem aqui tomou hidroxicloroquina? [gritos]. Querem prova maior? Eu tomei!”.

Bolsonaro também voltou a atacar a China, dizendo que o vírus da Covid foi criado em laboratório, um dia depois de a embaixada chinesa criticar a politização em relação à origem do vírus e após documentos comprovarem que os ataques do governo brasileiro ao país asiático prejudicaram a compra da Coronavac.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp