Bahia

Com mais de 90 empresas e faturamento anual de US$ 15 bilhões, Polo industrial de Camaçari completa 43 anos

Atualmente, polo concentra atividades dos segmentos químico-petroquímico, pneus, metalurgia do cobre, têxtil, bebidas, celulose, fertilizantes, fármacos, energia eólica, bebidas e serviços (incluindo logística).

 

Atualmente com 90 empresas operando e faturamento anual de de US$ 15 bilhões, o Polo Industrial de Camaçari, na região metropolitana de Salvador, completa 43 anos nesta terça-feira (29). O local é um dos maiores complexos industriais integrados do Hemisfério Sul, e desempenha papel importante no setor produtivo da Bahia.

 

Segundo informações do Comitê de Fomento Industrial de Camaçari (COFIC), associação empresarial privada que representa empresas do polo, atualmente, o polo concentra as atividades nos segmentos químico-petroquímico, pneus, metalurgia do cobre, têxtil, bebidas, celulose, fertilizantes, fármacos, energia eólica, bebidas e serviços (incluindo logística).

Dados divulgados pelo COFIC, levantados antes de março de 2020, apontam que o polo gera cerca de 15 mil empregos diretos e 30 mil indiretos. O complexo é responsável também por mais de 30% do total exportado pelo estado da Bahia e recolhe R$ 1 bilhão por ano ano em ICMS para a Bahia, representando mais de 90% da receita tributária de Camaçari e Dias D´Ávila e um participação de 22% no PIB da Indústria de Transformação da Bahia.

Por outro lado, com o encerramento das atividades da fábrica Ford no Brasil, neste ano, o prefeito de Camaçari, Elinaldo Araújo, contou que a cidade, que tem arrecadação anual de cerca de R$ 1,3 bilhão em impostos, perdeu R$ 30 milhões do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) e mais R$ 100 milhões do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da receita líquida.

 

Entre as empresas do complexo, destacam-se organizações líderes em seus segmentos, como a Braskem (líder em resinas termoplásticas na América Latina), a Paranapanema (principal produtor de cobre eletrolítico da América do Sul), a BSC (única indústria produtora de celulose solúvel com alto teor de pureza em toda a América Latina), a Deten Química (única produtora no país de LAB – Linear Alquilbenzeno, matéria-prima básica para produção de detergentes biodegradáveis), além da Continental e a Bridgestone, no segmento de pneus. No setor da energia eólica, com forte poder de crescimento no Estado da Bahia e no país, destacam-se indústrias como Siemens-Gamesa e Torrebrás.

Outros empreendimentos também se destacam, a exemplo da Oxiteno, Bayer, Unigel e do Complexo Acrílico da Basf, que representa o maior desafio da empresa fora da Alemanha, com aportes superiores a R$ 1,5 bilhão e produção em escala global de ácido acrílico, acrilato de butila e polímeros superabsorventes (SAP), utilizando como matéria-prima o propeno, fornecido pela Unidade de Petroquímicos Básicos da Braskem.

Essas novas rotas da produção em Camaçari atraíram também indústrias de transformação, como a Kimberly-Clark, que fabrica fraldas descartáveis e produtos de higiene pessoal a partir dos polímeros superabsorventes fornecidos pela Basf. O potencial de atratividade do Polo também se evidencia na presença de empresas como Knauf (drywall), Votorantim (cimentos), ITF Chemical (medicamentos), dentre outras.

 

*G1BA


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp