Internacional

Conversas com Rússia continuarão nesta 3a, diz negociador ucraniano

As negociações entre Ucrânia e Rússia foram paralisadas nesta segunda-feira (14), disse um dos negociadores ucranianos no Twitter.

 

“Uma pausa técnica foi realizada nas negociações até amanhã (terça-feira), para análise adicional nos subgrupos de trabalho e esclarecimentos de definições individuais. As negociações continuam”, afirmou o negociador ucraniano Mykhailo Podolyak.

Boicote

 

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse que a pressão sobre a Rússia deveria ser aumentada e pediu um boicote global às empresas internacionais que mantêm suas operações no país.

 

Em entrevista, Kuleba também pediu que os portos internacionais barrem a passagem de navios e para cargas russas.

Refugiados

 

Um centro de educação para jovens perto de Auschwitz, dedicado a preservar memória da Segunda Guerra Mundial e do Holocausto abriu suas portas para ajudar refugiados que fogem da guerra na Ucrânia.

 

Dias depois de deixar sua cidade natal de Nikopol, no Sul da Ucrânia, com sua mãe, Tamila Tvardovska pôde finalmente colocar suas malas pesadas no chão e descansar.

 

Tamila, de 39 anos, estava entre os 50 refugiados, a maioria mulheres e crianças, que chegaram no domingo (13) ao Centro Internacional de Reunião Juvenil em Oswiecim, um edifício tranquilo que normalmente recebe eventos educacionais.

 

“Acho que haverá céus pacíficos acima de nossas cabeças aqui”, disse ela.

 

O centro, que fica a cerca de dois quilômetros do antigo campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau, pretende fazer todo o possível para garantir que aqueles que fogem da guerra tenham um lugar seguro para ficar, disse Leszek Szuster, seu diretor.

 

“Fico satisfeito que nesta situação extraordinária tenhamos a possibilidade de oferecer ajuda aos nossos amigos da Ucrânia”, afirmou.

 

Até agora, o centro serviu cerca de 2 mil refeições aos refugiados desde o início de março.

 

O número de refugiados da Ucrânia, desde a invasão russa em 24 de fevereiro, subiu para mais de 2,8 milhões, mostraram dados da Organização das Nações Unidas nesta segunda-feira. Esta é a crise de refugiados que mais cresce na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

* Reportagem de Natalia Zinets, Max Hunder, Gabriele Pileri, Roberto Mignucci e Mari Saito

Agência Brasil / Reuters


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp