Política

Depois de gastar R$ 48 milhões em auditoria, Bolsonaro reconhece que não há “caixa-preta” no BNDES

O presidente Jair Bolsonaro reconheceu nesta quinta-feira (17) que não há irregularidades em contratos firmados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) durante os governos de Lula e Dilma Rousseff.

Durante conversa com apoiadores na porta do Palácio do Alvorada, Bolsonaro e reconheceu a transparência das operações e atestou que jamais existiu a tal “caixa-preta” do BNDES, um dos motores de sua campanha à Presidência.

“Não foi caixa-preta, na verdade. Está aberto. Eu também pensava que era caixa-preta, mas está disponível, no site do BNDES, todos os empréstimos feitos para outros países”, afirmou Bolsonaro, segundo o Metrópoles.

Em 2019, já sob o governo Bolsonaro, o banco estatal de desenvolvimento chegou a gastar R$ 48 milhões com auditoria dos contratos de empréstimos a empresas e governos estrangeiros, mas não encontrou qualquer indícios de irregularidades.

Em junho de 2019, após a demissão de Joaquim Levy — ex-ministro de Dilma Rousseff (PT) — da presidência do BNDES, o chefe do Executivo federal insistiu na apuração do destino dos recursos da instituição. Com a indicação do então secretário do Ministério da Economia Gustavo Montezano, a expectativa era de que o banco acelerasse a apuração.

Com 247


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp