Nordeste

Em Campina Grande, José Nêumanne Pinto profere palestra e alerta para momento crítico da comunicação 

Ainda repercute a palestra proferida pelo <span;>jornalista, poeta e escritor José Nêumanne Pinto para jornalistas na noite da quinta-feira, 14, no miniauditório da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (Fiep) atendendo a convite da Prefeitura de Campina Grande, por meio do Gabinete do Prefeito e da Coordenadoria de Comunicação do Município (Codecom).

A palestra teve como tema “Nêumanne e seus muitos passados –  uma lição de vida e de amor ao Jornalismo”. A temática despertou o interesse não apenas dos jornalistas campinenses, entre eles os assessores de imprensa da Prefeitura, mas também de historiadores, empresários e outras personalidades que compareceram ao evento.

Em sua exposição, Neumanne registrou algumas frases em tom de ultimato. Dentre elas: ’A imprensa morreu’ e ’a mentira é o maior negócio do mundo hoje’, destacando o poder nefasto das chamadas fake news em tempos de fortalecimento das mídias e redes sociais.

A apresentação do palestrante foi feita pelo secretário chefe de Gabinete do Prefeito, Gilbran Asfora, que representou o prefeito Bruno Cunha Lima, ausente devido a compromissos em Guarabira.

 

Ao destacar os objetivos da iniciativa, Gilbran explicou a importância de se proporcionar à classe dos jornalistas de Campina Grande uma visão atual da imprensa brasileira.

 

“Com isso, tivemos o propósito de dar amplitude ao conhecimento de cada um, daí o convite ter sido formulado a um palestrante ilustre, filho da Paraíba, e de renome nacional”, explicou o secretário na abertura do evento.

 

Por sua vez, o palestrante apresentou os seus agradecimentos pelo convite, destacando o seu amor por Campina Grande, cidade onde estudou e iniciou as suas atividades profissionais no ano de 1967, na Rádio Caturité, onde apresentou em nome do Cine Clube Glauber Rocha, o programa “Sétima Arte”.

José Neumanne lembrou, ainda, o fato de ter militado na imprensa local, como repórter do extinto Diário da Borborema, antes de ter ido se fixar em São Paulo, onde atuou inicialmente na Folha de São Paulo e depois prosseguiu a sua jornada em outros importantes órgãos de comunicação do país.

 

Nêumanne destacou, ainda, a sua trajetória intelectual vitoriosa, reconhecida por meio de vários prêmios recebidos, a exemplo do Prêmio Esso de Economia e muitos outros. Ele também teve o seu talento literário reconhecido pelo seu ingresso em instituições como as academias de Campina Grande, da Paraíba e a de História, de São Paulo.

O jornalista teve, por fim, a oportunidade de responder a perguntas do público, tendo abordado temas como a atual crise do jornalismo, a realidade política atual e até algumas curiosidade pessoais.

 

O jornalista revelou, entre outras questões, que o ponto mais alto da sua rica carreira jornalística foi o fato de ter entrevistado o famoso escritor português José Saramago, prêmio Nobel de Literatura. Ainda pontuou a sua admiração pelo saudoso jornalista Chico Maria, destacando ter sido o melhor entrevistador do Brasil.

Presenças

Estiveram integrando a mesa de honra o coordenador da Codecom, Marcos Alfredo; o presidente da Academia de Letras de Campina Grande, Thélio Farias; o representante da Associação de Imprensa de Campina Grande (ACI), Antônio Nunes, e o ex-prefeito de Campina Grande, Félix Araújo Filho.

Ainda compareceram Isabel de Castro, doutora em História, esposa do palestrante; secretária municipal de Cultura, Gisele Sampaio; secretário executivo de Cultura, João Dantas; pelo Instituto Histórico de Campina Grande, o predidente Vanderley de Brito e Oda Steinmúller (presidente de honra da entidade, entre outras personalidades.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp