Brasil

Empresa que negociou a Covaxin com o Governo Bolsonaro esperava receber R$ 800 mi com venda a clínicas privadas

 A Precisa Medicamentos, empresa por trás do esquema de superfaturamento na contratação pelo governo federal da vacina indiana, a Covaxin, esperava receber ao menos R$ 800 milhões com a venda do imunizante a clínicas privadas. 

PUBLICIDADE

O contrato entre a Precisa e a Associação Brasileira de Clínicas de Vacinas (ABCVAC), obtido pelo Estadão, foi assinado no dia 29 de janeiro.

 

Segundo o jornal, o plano de Frederico Maximiano, dono da Precisa, era fornecer 20 milhões de doses para o Ministério da Saúde, para serem distribuídas na rede pública, e outras 5 milhões para as clínicas venderem a seus clientes.

 

Segundo o documento, Maximiano negociava até mesmo a abertura de linha de crédito com o Ministério da Economia para que clínicas privadas comprassem a Covaxin.

 

O contrato prevê que, nas compras acima de 100 mil doses, o preço de cada dose seria US$ 32,71 (R$ 160,93 ). Na menor quantidade possível de ser adquirida (2 mil a 7,2 mil doses), cada imunizante ficaria a US$ 40,78 (R$ 200,63).

 

Os preços estão consideravelmente acima do que definiu o laboratório Bharat Biotech, que desenvolve a Covaxin. Em abril, a empresa determinou que doses exportadas teriam preço de US$ 15 a US$ 20 para exportação e de US$ 16 para a venda a hospitais privados indianos.

Com 247


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp