Brasil

Empresários reclamam incompetência do governo Bolsonaro na pandemia

Os empresários, sustentáculos de Jair Bolsonaro e Paulo Guedes, reclamam, perplexos com a incompetência do governo no combate à pandemia e na gestão da economia. “Do lado da saúde, não está passando segurança. Do lado da economia, as coisas não andam”, afirma o empresário José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Plástico. “Entendemos que nada irá acontecer nesse País enquanto a população não estiver vacinada”, diz o presidente da Confederação Nacional do Comércio

247 – Os empresários, sustentáculos de Jair Bolsonaro e Paulo Guedes, estão perplexos com a incompetência do governo no combte à pandemia e na gestão da economia. “Do lado da saúde, não está passando segurança. Do lado da economia, as coisas não andam”, afirma o empresário José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Plástico.

“Entendemos que nada irá acontecer nesse País enquanto a população não estiver vacinada”, afirmou o presidente da Confederação Nacional do Comércio (CNC), José Roberto Tadros. “Até porque muita gente não compreendeu a gravidade: há aglomeração em todo canto e desprezo à máscara”, acrescentou.

O setor, que divulgou dois manifestos em menos de uma semana, alertou para a necessidade de imunização em massa, com todos os tipos necessários de vacinas, para acelerar a retomada econômica.

“Do lado da saúde, não está passando segurança. Do lado da economia, as coisas não andam”, afirmou o empresário José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Plástico (Abiplast) e vice-presidente da Fiesp. Ele integra o movimento Coalizão da Indústria. Os relatos foram publicados pelo jornal O Estado de S.Paulo.

“Existe uma omissão de gente que está olhando para o seu umbigo”, criticou o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), José Carlos Martins.

Um dos dois manifestos divulgados pelo setor empresarial, o primeiro, assinado por 14 entidades, o movimento Coalizão Indústria pede “reformas já” e afirma que a segunda onda da pandemia é mais forte na comparação com a primeira. No segundo texto, “Prioridades aos Brasileiros”, empresários afirmaram que os poderes devem fazer política de Estado e não de governo.

O presidente da Confederação Nacional de Serviços (CNS), Luigi Nese, pediu que as autoridades deem orientações a serem repassadas aos funcionários. “Quem deve fazer isso é o Ministério da Saúde. Uma cartilha orientadora”, disse.

Cofundador da gigante dos cosméticos Natura, Pedro Passos também questiona a gestão de Bolsonaro. “O governo tem de dizer o que o empresário deve fazer: é para emprestar caminhão para carregar vacina, treinar gente, contratar consultoria, planejar logística?”, questionou Passos.

 

*Brasil 247


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp