INTERNACIONAL

EUA analisam resposta do Hamas a plano de cessar-fogo em Gaza

Washington (Lusa) – Os Estados Unidos disseram que estão analisando a resposta do movimento islamita palestino Hamas à proposta de cessar-fogo na Faixa de Gaza apoiada por Washington.

 

 

“Não vou fornecer qualquer contexto ou detalhes sobre a resposta que acaba de chegar e que a nossa equipe está atualmente avaliando, tal como os nossos amigos no Qatar e no Egito”, disse na terça-feira o porta-voz da Casa Branca John Kirby.

 

 

Horas antes, o Hamas indicou ter transmitido aos mediadores do Qatar e do Egito a resposta à proposta de cessar-fogo na Faixa de Gaza apoiada pelos Estados Unidos, com alguns “reparos” sobre o acordo.

 

 

O Hamas e a Jihad Islâmica, grupo de menor dimensão, afirmaram estar dispostos a “negociar de forma positiva para chegar a um acordo” e que a sua prioridade é pôr um “fim total” à guerra, em curso há mais de oito meses entre Israel e os combatentes islamitas naquele território palestino.

 

 

Um alto responsável do Hamas, Osama Hamdan, disse à televisão libanesa Al-Mayadeen que o grupo “enviou alguns reparos sobre a proposta aos mediadores”, sem fornecer mais detalhes.

 

 

Os dois movimentos palestinos anunciaram na terça-feira que a sua resposta ao plano de cessar-fogo apresentado em 31 de maio pelo Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden – segundo o qual foi proposto por Israel – e apoiado na segunda-feira por uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, apela para o “fim total da agressão” na Faixa de Gaza.

 

 

A [nossa] resposta dá prioridade aos interesses do povo palestino e sublinha a necessidade do fim total da agressão em curso em Gaza”, declararam o Hamas e a Jihad Islâmica num comunicado conjunto divulgado, acrescentando que estão prontos a “empenhar-se de forma positiva para chegar a um acordo que ponha fim a esta guerra”.

 

 

Entretanto, os Ministérios dos Negócios Estrangeiros do Qatar e do Egito indicaram, em um comunicado conjunto, que ainda analisam a resposta e irão prosseguir os seus esforços de mediação, juntamente com os Estados Unidos, “até ser alcançado um acordo”.

 

 

O plano prevê, numa primeira fase, um cessar-fogo de seis semanas, acompanhado de uma retirada israelita das zonas mais densamente povoadas de Gaza, da libertação de alguns reféns e de prisioneiros palestinos em Israel.

 

 

O secretário-geral da ONU, António Guterres, expressou nesta terça-feira apoio ao plano, exortando todas as partes a aproveitarem “a oportunidade e chegarem a um acordo”.

 

 

Guterres instou à abertura de todas as vias possíveis de ajuda humanitária à Faixa de Gaza, onde “o horror” deve parar imediatamente e os trabalhadores da organização devem ser protegidos.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp