Ceará

Família de africano morto no Ceará recebe mensagens racistas ao pedir doações

Milton Sanca, de 29 anos, trabalhava como motorista em uma empresa na capital cearense e morreu em 25 de abril. O corpo foi liberado pelo Hospital Geral de Fortaleza, onde faleceu. A família disponibilizou o telefone para que pessoas possam doar dinheiro para financiar o transporte do corpo até o país de origem. Além das doações, há mensagens racistas e tentativas de golpe.

 

Nas mensagens obtidas pelo g1, o suposto doador com prefixo de Pernambuco afirma que a vítima “infesta” o Brasil e a cidade e diz que não são bem-vindos.

 

“Que bom que aquele macaco morreu há muitos de vcs infestando nosso país e nossa cidade! Saia daqui!!! Vcs não é bem-vindos. Roubando nossos empregos e vagas de estudo. E dando HIV às nossas mulheres.”

 

Volte para a África. E n como dele dentro um cadáver”, diz outra mensagem.

 

Sobre as mensagens de racismo, Adilson Victor, irmão de Milton Sanca e doutorando de História Social na Universidade Federal do Ceará (UFC), lamentou os comentários no momento em que a família passa por um momento de muita dor.

 

“Infelizmente, mesmo na morte, ainda sofremos. Acho meu irmão não merecia isso e nem a minha família”, disse.

 

Em uma tentativa de golpe denunciada por familiares, outra pessoa entrou em contato com ele e assegurou que tinha arrecadado um valor para pagar o translado, mas a família desconfiou e cancelou as mensagens.

 

“Essa aí foi outro caso infeliz. Uma pessoa entrou em contato comigo e disse que tinha dinheiro para pagar passagem para o translado e para mim. Desconfiamos e cancelamos as mensagens”, explicou.

 

Nos dois casos Adilson Victor afirmou que registrou o boletim de ocorrência em uma delegacia de Fortaleza.

g1


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp