Bahia

Familiares questionam polícia sobre ‘elucidação’ da morte de pediatra, na Bahia

Os familiares do pediatra Júlio Cesar de Queiroz Teixeira, de 44 anos, morto dentro da clínica onde trabalhava, na Bahia, questionam a nota oficial divulgada pela Polícia Civil, que informa a elucidação do caso. O documento afirma que o crime teria sido encomendado por um homem, que seria o companheiro de uma mulher que teria sido assediada pela vítima.

 

Em nota, os familiares de Júlio César elogiam o trabalho dos policiais da Delegacia Territorial (DT) do município de Barra e da Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (14ª Coorpin/Irecê), ao longo dos últimos quatro dias, desde que o pediatra foi morto, no dia 23 de setembro.

 

No entanto, julgam como “precipitada e temerária” a nota divulgada pela assessoria de comunicação da Polícia Civil, em que afirma no título que o caso foi elucidado.

 

“Elucidar significa esclarecer, decifrar, explicar de forma a não restar mais dúvidas a respeito do ocorrido. E sabemos que este caso ainda não foi elucidado inclusive pelo fato de que, na mesma nota, a Ascom da Polícia Civil reitera textualmente que ‘as equipes continuam realizando diligências para localizar e prender o mandante do crime”, disse o documento enviado pela família.

 

Ao g1, o engenheiro agrônomo e advogado, Geraldino Gustavo, irmão de Júlio César, falou que a família está revoltada com a situação.

 

“Não há nenhuma outra fundamentação, outra conclusão, ao não ser as palavras dos bandidos. Não tem nenhum elemento que confirme essa versão, nenhuma prova do que eles falaram”, reclamou.

 

“A nota da Ascom, da polícia, é muito falha, contraditória. Já pensou se o bandido falar uma coisa e no outro dia colocar como o certo o que ele tá dizendo? Não tem uma prova que confirme”, complementou.

 

Para Geraldino, a polícia precisa de mais elementos para considerar o caso como elucidado. “Aonde foi que meu irmão fez isso? Quando? Ele está morto e não pode dizer nada. O que tem a favor dele é que são 20 anos de trabalho prestados e se você procurar, ninguém concorda, todo mundo está revoltado”, afirmou.

 

Os familiares de Júlio César também questionam uma declaração do delegado Ernandes Reis Santos Júnior, coordenador da 14ª Coorpin/Irecê, divulgada na nota, em que afirma que “o mandante do homicídio alegou que a vítima teria cometido um suposto assédio a sua esposa e por esse motivo determinou a morte do médico”.

 

“Ora, se a Polícia Civil ainda está em busca do mandante, como ele poderia ter alegado esta motivação?”, questionou.

 

O irmão de Júlio César destacou, ainda, que agradece a agilidade das investigações da Polícia Civil, mas não entende a validação do discurso dos suspeitos como “verdade absoluta”.

 

“É uma cobra de duas cabeças: Tem os policiais da Barra, que têm feito um trabalho bom, já tem mandante, o cara que matou preso, o cara da moto preso. Só que em outra ponta tem alguém apressado, porque se alegações de bandidos forem válidas, acaba sendo injusto”, disse Geraldino.

g1


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp