Internacional

‘Fechem o céu sobre a Ucrânia’, pede Zelensky ao Congresso dos EUA

“A Rússia transformou o céu ucraniano em uma fonte de morte para milhares de pessoas”, afirmou o presidente ucraniano em discurso

Reuters – O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, pediu aos congressistas norte-americanos que façam mais para proteger seu país da invasão da Rússia em um discurso no Congresso dos Estados Unidos no qual ele pediu ao presidente Joe Biden que seja o “líder da paz” no mundo.

“A Rússia transformou o céu ucraniano em uma fonte de morte para milhares de pessoas”, disse Zelensky em seu discurso virtual antes de mostrar um vídeo contendo imagens de morte e destruição na Ucrânia que terminava com “Feche o céu sobre a Ucrânia”.

Zelensky continuou seu esforço pela imposição de uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia e pediu mais aviões e sistemas de defesa para responder a uma invasão russa lançada no mês passado que causou destruição em larga escala em seu país e desencadeou uma onda de refugiados.

Ele encerrou seu discurso com um apelo direto em inglês a Biden: “desejo que você seja o líder do mundo. Ser o líder do mundo significa ser o líder da paz”.

 Junto com a Otan, Biden e muitos legisladores dos EUA resistem a uma zona de exclusão aérea em meio a preocupações de que isso aumentaria o conflito com a Rússia, que possui armas nucleares. A Casa Branca até agora também não apoiou uma proposta para ajudar a transferir aviões de guerra MiG fabricados na Rússia para a Ucrânia, embora essa ideia tenha algum apoio no Congresso.

O discurso de Zelensky aos legisladores em Washington veio um dia depois que ele fez um apelo ao parlamento do Canadá por mais sanções ocidentais à Rússia e a imposição de uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia.

Ele foi aplaudido de pé antes e depois de seus comentários, com a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, apresentando-o com um canto que significa “glória à Ucrânia” em ucraniano. Na conclusão de seus comentários, Zelensky acenou para o vídeo e colocou a mão no peito em agradecimento pela recepção.

Biden assinou na terça-feira uma lei de US$ 13,6 bilhões em ajuda emergencial à Ucrânia para ajudá-la a obter mais armamento e assistência humanitária. Espera-se que Biden anuncie mais US$ 800 milhões em assistência de segurança à Ucrânia ainda nesta quarta-feira.

Zelensky invocou ataques anteriores aos Estados Unidos – em 1941 por forças japonesas em Pearl Harbor no Havaí e em 2001 por militantes da Al Qaeda usando aviões sequestrados – para explicar a situação da Ucrânia. Ele também mencionou o Monte Rushmore, o monumento na montanha em Dakota do Sul com rostos esculpidos de quatro dos maiores presidentes da América.

“Neste momento, o destino de nosso país está sendo decidido”, disse Zelenskiy no discurso por meio de um intérprete, acrescentando que seu país estava enfrentando um terror que a Europa não experimentava desde a Segunda Guerra Mundial.

Zelensky também sugeriu a criação de uma nova instituição internacional para proteger a paz e responder a desastres naturais e causados ​​pelo homem.

Zelensky procurou nas últimas semanas reforçar o apoio ao seu país em vários discursos para audiências estrangeiras, incluindo também o Parlamento Europeu e o Parlamento britânico.

O apoio à Ucrânia é um raro exemplo em que republicanos e democratas se alinharam em um Congresso fortemente dividido, com alguns legisladores de ambos os partidos pedindo a Biden que vá mais longe na ajuda à Ucrânia. Há algum apoio bipartidário no Congresso para o envio de aeronaves de combate para a Ucrânia.

Na terça-feira, o Senado dos EUA aprovou por unanimidade uma resolução condenando o presidente russo, Vladimir Putin, como criminoso de guerra.

As Nações Unidas estimam que cerca de 3 milhões de pessoas fugiram da Ucrânia, principalmente mulheres e crianças, e estão buscando segurança em países vizinhos, principalmente na Polônia.

Biden anunciou a proibição do petróleo russo e outras importações de energia e pediu a suspensão do status comercial da Rússia, que oferece aos seus produtos exportados tarifas mais baixas na arena internacional. A Câmara está tentando aprovar uma legislação respondendo ao pedido de Biden esta semana.

É raro que líderes estrangeiros discutam no Congresso dos EUA durante a guerra. Um exemplo famoso veio em 1941, quando o primeiro-ministro britânico Winston Churchill falou ao Congresso apenas algumas semanas após o ataque do Japão a Pearl Harbor, que levou os Estados Unidos à Segunda Guerra Mundial. Churchill advertiu que “muitas decepções e surpresas desagradáveis ​​nos esperam”.

Após a dissolução da União Soviética, o presidente russo Boris Yeltsin em 1992 dirigiu-se ao Congresso. O discurso otimista de Yeltsin proclamou: “deixamos para trás o período em que os Estados Unidos e a Rússia se olhavam através da mira das armas, prontos para puxar o gatilho a qualquer momento”.

Mas as sanções impostas pelos Estados Unidos e seus aliados contra a Rússia após a invasão e as medidas para reforçar a capacidade militar da Ucrânia trouxeram de volta memórias das décadas de Guerra Fria entre os Estados Unidos e a União Soviética à qual Yeltsin se referiu.

*Brasil247


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp