Nordeste

Governo confirma retomada gradual de atividades não essenciais no Ceará a partir de segunda-feira (12/4)

Daniel Herculano –  Texto Carlos Gibaja e Tiago Stille – Fotos

Após reuniões virtuais de comitê formado por profissionais de Saúde, presidentes do Tribunal de Justiça e Assembleia Legislativa, representantes de Ministério Público Estadual, Federal e do Trabalho, e da Prefeitura de Fortaleza, realizadas tanto na sexta-feira (9), quanto neste sábado (10), o governador do Ceará, Camilo Santana, utilizou as redes sociais para informar que a partir de segunda-feira (12) haverá uma abertura gradual de setores que não estavam autorizados a funcionar de forma presencial. Essa retomada, que exige uma conduta responsável de todos, ocorrerá de segunda a sexta-feira.

 

O Isolamento Social Rígido continuará vigente aos fins de semana. E haverá toque de recolher diariamente, das 20h às 5 horas. Entre as medidas anunciadas estão:

 

– Escolas autorizadas a funcionar, com até 35% da capacidade, para Educação Infantil (4 e 5 anos) e 1º e 2º anos do Ensino Fundamental;

 

– Igrejas autorizadas para atividades presenciais com 10% da capacidade;

 

– Atividades comerciais detalhadas no texto do decreto no Diário Oficial do Estado poderão funcionar com até 25% da capacidade, em horários diferenciados, das 10h às 16h ou das 12h às 18h. Dentre elas: comércio de rua (10h às 16h) e shopping (12h às 18h), restaurantes de rua (10h às 16h) e de shopping (12h às 18h);

 

– Espaços públicos permanecerão fechados.

 

“Nossas decisões todas são feitas com responsabilidade, com muito diálogo com todos os setores envolvidos, seguindo a ciência e avaliando diariamente os números da saúde no Estado. Há uma tendência na redução de casos e nos óbitos, mesma tendência em procura médica assistencial e de transmissão, mas os números ainda permanecem altos”, pontuou o governador em anúncio, em transmissão ao vivo pelas redes sociais, do novo decreto de isolamento social no Ceará. Ao lado de Camilo Santana estava o secretário da Saúde do Estado, Carlos Roberto Martins Rodrigues Sobrinho (Dr. Cabeto).

 

Camilo reforçou ainda que todo o Ceará continua com o isolamento social validado no decreto estadual, mas que o sucesso dessa ação não depende só da existência do decreto em si, e que algumas atividades continuam sem liberação, como espaços públicos e áreas de lazer de condomínios, que seguem em restrição de uso. “O isolamento não é só um decreto. Para que dê certo vai depender da atitude de cada cidadão. Vamos ter o toque de recolher das 20h às 5h todos os dias, de segunda a domingo, e o isolamento social rígido volta no fim de semana. Cabe a cada um de nós fazer nosso papel, para que esta liberação gradual, que nesta semana terá serviços em horários diferenciados para reduzir a pressão no sistema público de transporte, seja efetivada e que não haja retrocesso”.

 

 

Isolamento Social Rígido e Vacinas

Presente no anúncio e de posse de todos os números da pandemia no Ceará, o secretário da Saúde, Dr. Cabeto, exibiu um comparativo do antes e do depois das medidas de isolamento social no Ceará. Ele apontou que, na primeira onda, em abril e maio de 2020, o Ceará teve uma rápida ascensão na transmissão. Em seguida se praticou o isolamento restrito no Estado e, com isso, houve uma queda acentuada de casos entre julho e agosto de 2020. Os gráficos atuais demonstram que o número de óbitos caiu no comparativo com a primeira onda, o que mostra a eficiência do sistema e o grande trabalho que os profissionais de saúde estão fazendo.

 

“Houve um grande crescimento de casos entre janeiro e abril de 2021, mas temos uma estabilidade de novos casos. Contudo, essa tendência de estabilidade no atendimento é positivo, mas ainda é um platô muito elevado, que inspira todo cuidado e muita responsabilidade, além de um grande apoio da sociedade, pois o enfrentamento da pandemia é da responsabilidade de todos e só cabe aqui união para enfrentar um inimigo invisível, que é o vírus”, alertou Dr. Cabeto.

 

O secretário pontuou os números positivos do incremento na estrutura de Saúde do Estado e na vacinação dos profissionais de saúde, exibindo um gráfico comparativo da incidência da Covid-19 entre a população geral e os profissionais de saúde da linha de frente. Os dados levam à conclusão que a imunização dos profissionais evitou que a segunda onda da pandemia atingisse a categoria com o impacto que atingiu os não vacinados. “Tudo que foi entregue permanecerá com os municípios, ao fim da pandemia teremos um legado para o sistema público de saúde, com leitos de UTI, demais equipamentos e a aquisição de três hospitais. Com isso, teremos como ser o primeiro estado do Brasil a regionalizar as suas residências médicas. Atento também para a baixa incidência de transmissão entre os profissionais de saúde pós-vacinação. Isso mostra da extrema necessidade da compra das vacinas com mais antecedência, e registro aqui que o Ceará fez contato com todas as marcas disponíveis desde dezembro do ano passado, antes mesmo do Governo Federal sequer abrir negociação para a aquisição de vacinas. Isso só mostra o quanto é emergencial e importante liberar a vacina russa Sputnik ao Ceará”, declarou dr.Cabeto.

 

Vacinas Sputnik e Vacinômetro

O governador Camilo Santana ressaltou que o Ceará ainda aguarda a liberação da Anvisa para proceder com a importação emergencial da vacina russa Sputnik V, que o Estado comprou 5.87 milhões de doses e já poderia estar vacinando a todos. “Mesmo sendo uma vacina que já é aplicada em 58 países no mundo inteiro, e tem 91,6% de eficácia contra casos sintomáticos de Covid-19, tem sido uma luta a liberação com a Anvisa. Pelo prazo junto à Rússia, o Ceará já poderia ter recebido o primeiro lote das vacinas, mas infelizmente a Anvisa não liberou. Temos feito um apelo pela liberação, e nós governadores do Nordeste temos discutido que, caso seja necessário, iremos entrar na Justiça por essa liberação”, explicou.

 

Segundo a Lei Federal, em casos de importação de vacinas já autorizadas por outras agências internacionais, todo o processo deverá ser feito em sete dias úteis ou até nove dias corridos, mas a Anvisa segue com esse processo travado, mesmo com a necessidade de urgência comprovada. Ainda sobre a vacinação, o governador relatou que têm recebido com alegria várias mensagens e imagens de profissionais de segurança pública do Ceará sendo vacinados, destacando a conquista, mas que ainda luta para a inclusão no grupo prioritário de outra categoria importante, que são os professores da rede pública de educação.

 

Na transmissão ao vivo, Camilo lembrou que na quinta-feira (8) o Ceará recebeu o 13º lote com doses da vacina contra Covid-19, dentro do Plano Nacional de Imunização (PNI). Foram 170.450 doses, sendo 91.250 do imunizante desenvolvido por Oxford/AstraZeneca e 79.200 da Coronavac/Sinovac, que em menos de 24 horas seguiu o plano de logística elaborado pelo Governo do Estado operacionalizado pela Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), chegando de forma proporcional aos 184 municípios.

 

O governador informou também os números do Vacinômetro, que contabilizam as vacinas aplicadas pelos municípios e que são atualizados pela (Sesa). Até as 17h da última quinta-feira (8), o sistema registrou 1.324.953 doses aplicadas, sendo 1.034.160 como primeira dose e outras 290.793 em segunda dose.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp