Pernambuco

Grupos de maracatu fazem protesto em frente à prefeitura do Recife

Ato aconteceu na manhã desta terça-feira (5) em frente à sede da prefeitura do Recife, no Cais do Apolo, na área central da cidade. Nações de maracatu reivindicaram ações públicas para manifestação cultural.

Integrantes de maracatu fizeram um protesto na manhã desta terça-feira (5) em frente à sede da prefeitura do Recife, no Cais do Apolo, na área central da capital pernambucana. Os grupos reivindicam ações para preservar a manifestação cultural, declarada como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil em 2014.

Os manifestantes bloquearam a faixa da esquerda da Avenida Cais do Apolo, em frente à prefeitura. O ato foi organizado pela Associação dos Maracatus Nação de Pernambuco (Amanpe) e, segundo eles, contou com a presença de representantes de mais de 20 maracatus do estado.

“A primeira coisa que a gente pede é respeito, porque não estão nos respeitando já que tentamos contato com a prefeitura e nada foi feito. […] Desde 2014 esperamos e, até hoje, não nos apresentaram um plano, uma ideia, um projeto que seja voltado para o maracatu, enquanto vemos um tratamento diferente para outros tipos de manifestações”, declarou o presidente de Amanpe Fábio Sotero.

A autarquia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) informou que agentes de trânsito foram destacados para orientar os motoristas no local. Um bloqueio foi feito na altura da ponte do Limoeiro até o giradouro do Cais do Apolo, no sentido Centro.

Por meio de nota, a Secretaria de Governo e Participação Social do Recife informou que recebeu uma comissão dos manifestantes para dialogar na manhã desta terça-feira (5).

A gestão municipal disse, ainda, que a “Secretaria de Cultura está permanentemente aberta ao diálogo pois, desde janeiro, criou o programa Chama Cultura, reuniões que culminaram em quase 100 encontros com representantes da Cultura Popular do Recife, dois deles, inclusive, com a Associação dos Maracatus Nação de Pernambuco”.

A prefeitura disse, ainda, que “a gestão também teve um olhar especial para a cadeia criativa cultural da cidade, com ações imediatas para fomento à classe artística e as manifestações culturais, algumas das categorias mais prejudicadas devido ao novo coronavírus”.

A gestão citou a implementação do auxílio municipal para artistas que atuaram no carnaval e no São João, a reabertura da Casa do Carnaval, a retomada do Sistema de Incentivo à Cultura, o pagamento de cachês em atraso e a criação da Lei do Registro do Patrimônio Vivo entre iniciativas adotadas.

*G1PE


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp