Brasil

“Já estou me sentindo em casa”, declara Geraldo Alckmin, em ato de filiação ao PSB

 

Evento reuniu personalidades políticas, na sede da Fundação João Mangabeira, para filiação do ex-governador de São Paulo e outras lideranças políticas em todo Brasil

 

Uma data para entrar na história do PSB. Assim foi descrito o ato de filiação do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin; do vice-governador do Maranhão, Carlos Brandão; do senador e pré-candidato ao governo de Santa Catarina, Dário Berger, além de outras lideranças políticas de todo o país, realizado nesta quarta-feira (23), na sede da Fundação João Mangabeira (FJM), em Brasília. Além dos novos filiados, outros membros do partido e figuras políticas estiveram presentes ao evento, entre eles, Márcio França, ex-governador de São Paulo e presidente da Fundação João Mangabeira; Carlos Siqueira, presidente do PSB Nacional; Renato Casagrande, governador do Espírito Santo; Paulo Câmara, governador de Pernambuco; Flávio Dino, governador do Maranhão; João Azevedo, governador da Paraíba; João Campos, prefeito do Recife; Marcelo Freixo, deputado federal e líder da minoria da Câmara; Lídice da Mata, deputada federal, e a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann.

 

 

Em seu discurso de abertura da solenidade, Carlos Siqueira ressaltou a importância da vinda de Geraldo Alckmin ao PSB, reforçando a união entre as forças progressistas do país para combater a ameaça à democracia que o atual governo representa.

 

“Precisamos alargar horizontes, precisamos unir homens e mulheres de bem pela defesa da democracia e pela mudança do sistema político brasileiro”. Em seguida, os 13 novos filiados foram chamados para o ato de assinatura da ficha de filiação. São eles: deputado estadual Pedro Tobias; deputado federal Floriano Pesaro; advogado Augusto de Arruda Botelho; presidente da Associação de Moradia Social de São Paulo, Carmen Silva; ex-BBB e influencer, Ariadna Arantes; babalorixá Aia, Diego Montani; presidente da Associação dos Agentes Federais, Suzana Do Val; suplente de deputado federal, Andrea Werner; secretário de Urbanismo e Serviços Públicos de São José (SC), Michael da Silva Schlemper; ex-deputado federal, Djalma Berger; empresária Roberta Luchsinger, e Tony Reis, da Aliança Brasil. Outras 26 lideranças políticas também se filiaram em todo o país, totalizando 40 filiações.

 

Em prol da Democracia

 

Os discursos das personalidades presentes que sucederam as filiações foram unânimes e incisivos na força e união para que a democracia se mantenha incólume no país.

 

Em contundente fala, Márcio França comparou o ato com a significância que teve as ‘Diretas Já’, num momento de união de todos em prol da democracia. “Política é esperança e esse ato devolve a esperança para aqueles que acham que não há mais jeito, como nas Diretas Já. Não tem como ficar de outro lado sem ser ao lado da democracia”

 

O líder do partido na Câmara, Bira do Pindaré, falou sobre a importância de ter Alckmin no PSB e da “importância de virar a atual página da política brasileira da história para que a população possa exercer a cidadania com todos os direitos sociais garantidos”. Já João Campos lembrou o pai quando lhe dizia “que a vida não pode ser medida pelo comprimento e, sim, pela largura. Meu pai foi largo e Geraldo Alckmin também está sendo, em buscar unidade nas convergências, mostrando que é possível e que existe um caminho”. João ressaltou, ainda, “que o Recife será uma trincheira de luta e resistência” na próxima campanha.

 

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, disse que o ato é muito importante e significativo para o país, uma vez que “nunca foi tão necessário juntar forças em defesa da democracia”. A deputada Lídice da Mata, que se juntou a Gleisi nas falas femininas do evento, pediu a inclusão da mulher em todos os níveis da sociedade e também a união do país para “destruir o projeto de direita e criar um projeto includente, com um modelo de desenvolvimento que tenha sustentabilidade ambiental e que possa construir a paz e preservar a vida do planeta e da sociedade”.

 

O vice-governador do Maranhão, Carlos Brandão, falou em mudança. “Esse time do PSB quer isso, mudança, porque não podemos desistir do Brasil, porém mudar nem sempre é fácil. Mudar é desafiador e exige muita coragem e é uma decisão que precisa ser tomada com muita sabedoria. Resolvi mudar porque entendo de mudanças”, disse ao se referir aos inúmeros benefícios que implantou no Maranhão, ao lado do governador Flávio Dino, que se licenciará do cargo, a partor de 2 de abril, para ser candidato ao Senado na próxima eleição.

 

O senador e pré-candidato ao governo de Santa Catarina, Dário Berger, disse viver um momento especial e lembrou que a vida é feita de momentos. “Momentos em que somos chamados a assumir novos desafios e eu sou movido a novos desafios, serei candidato a governador de Santa Catarina, pois é momento de renovação, de encontrar novos amigos, novos parceiros, novas ideias”.

 

Redemocratizar o Brasil

 

O discurso de encerramento do evento ficou a cargo de Geraldo Alckmin. Muito à vontade na nova casa, o mais novo pessebista declarou estar muito feliz em estar ao lado de companheiros de longa data e que com quem já tem uma relação, como o ex-governador Márcio França, principal articulador para a vinda de Alckmin para o PSB. “Esse partido tem história, tem compromisso com a população. Aliás, me sinto em casa porque temos uma origem quase comum, tendo como princípios as lutas trabalhistas e sociais.”

 

Fazendo uma análise da situação atual do país, Alckmin disse que o Brasil já tinha uma dívida social com a população e que ela só aumentou e piorou fortemente. E ainda reiterou que “aqueles que ameaçam o parlamento estão agredindo a democracia, aqueles que ameaçam o STF estão ameaçando a democracia” e que “política se faz com esperança e que nada se obriga e, sim, se conquista com argumentos, respeito, ouvindo aqueles que discordam de nós”.

 

Sobre o presidente Lula, Alckmin elogiou sua trajetória política e disse que é “preciso enxergar e ter humildade para entender que ele é hoje aquele que melhor reflete o sentimento de esperança do povo brasileiro”. Em outro momento, Alckmin afirmou: “Não tenho dúvida de que o presidente Lula eleito vai reinserir o Brasil no cenário mundial, vai alargar o horizonte do desenvolvimento econômico, porque o Brasil precisa ser bom para todos e não somente para alguns”, finalizou.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp