Brasil

Luís Miranda disse a Bolsonaro: “meu irmão está recebendo uma puta pressão de coronéis, para fazer um pagamento”

O deputado Luís Miranda (DEM-DF) disse ter alertado Jair Bolsonaro sobre a pressão de “coronéis” contra um irmão parlamentar no Ministério da Saúde. Segundo ele, a pressão tinha como objetivo a realização de “um pagamento que estava em descompasso com o contrato” de vacinas. O irmão de Miranda também relatou pressão em favor do imunizante Covaxin

247 – O deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) disse ter alertado Jair Bolsonaro sobre a pressão de “coronéis” contra o irmão do parlamentar, Luís Ricardo Fernandes Miranda, “para fazer um pagamento e importar uma vacina que não tem Anvisa”. O congressista fez referência ao imunizante da Índia Covaxin. Segundo Miranda, a pressão tinha como objetivo a realização de “um pagamento que estava em descompasso com o contrato e pior: o nome da empresa que vai receber o dinheiro não é a que fez o contrato com o Ministério da Saúde, nem a intermediária”.

“É uma loucura. Fora as quantidades: o contrato previa 4 milhões na primeira entrega e só tem 300 mil”, disse o parlamentar, de acordo com relatos publicados pelo site O Antagonista.

A Covaxin foi a vacina mais cara adquirida pela gestão de Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde, ao custo de US$ 15 por dose. A compra superfaturada do imunizante foi a única para a qual houve um intermediário e sem vínculo com a indústria de vacina, a empresa Precisa. O preço da compra foi 1.000% maior do que, seis meses antes, era anunciado pela fabricante.

“A bandeira do presidente, a plataforma do presidente é o quê? O combate à corrupção. Quando eu vi a corrupção ali, clara, visível, pelo menos os indícios eram de algo errado ali, eu levei para o presidente da República, hoje o maior defensor no combate à corrupção. Eu levei para ele. Quando eu entrego para ele, eu comento: ‘É o mesmo grupo econômico que recebeu por medicamentos do Ministério da Saúde e não entregou’. Só por isso aí, ele não deveria fazer negócio com eles”, continuou Miranda.

O deputado disse que, em janeiro, falou a Bolsonaro sobre a necessidade de uma conversa para relatar irregularidades no Ministério da Saúde. “Quando aconteceu o fato, eu comuniquei para ele no dia 20 de março, junto com o meu irmão no Palácio do Planalto, com toda a documentação em mãos”, contou.

“O próprio presidente, quando bateu o olho, falou assim: ‘Que empresa é essa?’. Eu digo para ele: ‘Presidente, essa é a mesma empresa do caso da Global’. O presidente tinha que se sentir privilegiado, na verdade. Eu confio tanto nele no combate à corrupção que eu levei o caso para ele”, relatou.

O deputado também contou sobre a reação de Bolsonaro. “Ele disse para mim com todas as letras: ‘Deputado, é grave’. Ele falou até para o meu irmão: ‘Obrigado por trazer isso para mim, porque isso aqui é grave, gravíssimo’. Vou entrar em contato agora com o DG [diretor-geral] da Polícia Federal e encaminhar a denúncia para ele”.

A CPI da Covid aprovou um requerimento do relator Renan Calheiros (MDB-AL) para convocar os irmãos Miranda

 

*Brasil247


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp