Brasil

Luiza Brunet confirma presença domingo em ato contra agressão à mulher a acontecer em 40 cidadesr

A ativista Luiza Brunet confirmou participação neste domingo (05 de dezembro), no Rio de Janeiro, de caminhada pelo fim da violência que ocorrerão em 40 cidades do Brasil e do exterior.

 

O Grupo Mulheres do Brasil, por meio do seu Comitê de Combate à Violência contra a Mulher, alinhado à iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU), que este ano completa três décadas de mobilização internacional, convoca toda a sociedade a se unir por uma causa que diz respeito a todo mundo: o fim da violência contra mulheres e meninas.

 

No dia 5 de dezembro, a partir das 9h, o grupo irá realizar a 4ª Caminhada pelo Fim da Violência contra as Mulheres, em mais de 40 cidades no país e no exterior, reunindo milhares de pessoas vestidas de laranja, a cor dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

 

No Rio, a caminhada sairá do Aterro do Flamengo, em frente ao número 200. Em São Paulo, a caminhada sairá da Praça dos Ciclistas, na Avenida Paulista, 2424.

 

“A violência de gênero é considerada pela organização uma pandemia global. Segundo a ONU, cerca de 70% das mulheres sofrem algum tipo de violência ao longo da vida, apenas por causa de seu gênero. O fato se agravou ainda mais no período de enfrentamento à Covid-19”, comenta a advogada Marilha Boldt, líder do Comitê de Combate à Violência contra a Mulher no Rio de Janeiro. Segundo Luiza Helena Trajano, presidente do Grupo Mulheres do Brasil, será uma grande mobilização que colocará nas ruas a voz de todas as pessoas, pedindo um basta aos índices inaceitáveis da violência contra as mulheres.

 

“Durante a pandemia, a violência contra as mulheres cresceu 20% nas cidades brasileiras, não podemos assistir a isso passivamente. Temos que mudar essa realidade urgente, é a união de toda a sociedade por uma causa global”, pontua a executiva.

 

O evento do Rio de Janeiro conta com apoio oficial da Secretaria de Políticas para as Mulheres do município do Rio de Janeiro, Coordenadoria de Mulheres do Município de Niterói, Detran Mulheres, Caixa de Assistência dos Advogados do Rio de Janeiro, Enel, Cantão, Justiceiras, Superação da Violência Doméstica, Vamos Mulherar, Ronda Maria da Penha, Departamento Geral de Polícia de Atendimento à Mulher da Polícia Civil (DGPAM), IBDFAM (Instituto Brasileiro de Direito de Família), Mulheres Brilhantes, Instituto Maria da Penha, Foccus, Interação Rede de Comunicação, Instituto Patricia Galvão e Miss Cadeirante.

 

Confirmaram presença no Rio de Janeiro representantes da OAB Mulher de diversas cidades do estado do Rio de Janeiro, União Brasileira de Mulheres (UBM), Associação Brasileira de Mulheres de Carreira Jurídica (ABMCJ), Detran Mulher, diversas delegadas das DEAMs, Glamour da Favela, Associação de Amigos e Portadores de Psoríase do Estado do Rio de Janeiro, a modelo Luiza Brunet e a atriz Cristiane Machado, entre outros.

 

As estatísticas da violência contra as mulheres são alarmantes. Segundo a ONU, cerca de 70% das mulheres sofrem algum tipo de violência ao longo da vida, apenas por causa de seu gênero. A violência de gênero é considerada pela organização uma pandemia global. “O fato se agravou ainda mais no período de enfrentamento à Covid-19, quando muitas mulheres sentiram na pele uma pandemia dentro de outra, a da violência. Isto escancara o fato de que, para muitas mulheres, estar em casa não significa estar num lar, pois a violência acontece exatamente dentro de casa”, explica Elizabete Scheibmayr, uma das líderes do Comitê de Combate à Violência contra a Mulher.

 

De acordo com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o início da pandemia trouxe uma situação dramática para as mulheres que ficaram confinadas em casa com seus agressores: os números de denúncias diminuíram. Isto significa que as mulheres não conseguiam pedir ajudar, apesar do aumento considerável dos casos de violência doméstica.

 

Dados do órgão revelam que em 2020 foram registrados 1350 feminicídios no Brasil, um caso a cada seis horas e meia. Segundo o Ministério da Família, houve um crescimento de 6% para os casos de feminicídios, e de 34% para denúncias do canal 180, neste último ano, comparado com o mesmo período do ano passado.
A Caminhada pelo Fim da Violência contra as Mulheres, em São Paulo, tem o patrocínio do Motiva Implantes, Rios e Assunção e Magazine Luiza e apoio do Justiceiras e Instituto Patrícia Galvão, empresas comprometidas que desenvolvem ações para acabar com a violência doméstica.

SERVIÇO:

CAMINHADA PELO FIM DA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES

Data: dia 5 de dezembro

Horário: às 10h (concentração a partir das 9h)

Algumas dos pontos de encontro nas cidades:

Aracaju- Parque da Sementeira
Belo Horizonte: Esplanada do Mineirão (abraço ao Mineirão)
Brasília- Parque da Cidade
Cuiabá- Praça Central do Parque Mãe Bonifácia
Curitiba: Parque Barigui
Londres: Parliament Square
Recife: Marco Zero
Rio de Janeiro: pista central do aterro do Flamengo, entre as Ruas Almirante Tamandaré e Barão do Flamengo (na altura do nº 200 da Praia do Flamengo)
São Paulo: Saindo da Praça dos Ciclistas (Av. Paulista 2424 com a Consolação)

Núcleos que participarão da caminhada no Brasil: Anápolis, Aracaju (SE), Araraquara (SP), Bagé (RS), Belo Horizonte, Blumenau (SC), Brasília/DF, Campinas (SP), Capão Redondo (SP), Caxias do Sul (RS), Cuiabá (MT), Franca (SP), Itabuna (BA), Itacarambi (MG), Itatiba (SP), João Pessoa (PB), Juiz de Fora (MG), Manga, Mauá, Mogi Mirim e Montes Claros (MG), Osasco, Porto Seguro (BA), Recife (PE), Ribeirão Preto (SP), Rio de Janeiro (RJ), Santa Maria (RS), São José do Rio Preto (SP), São José dos Campos (SP), Uberlândia e Vazante (MG), Santos e São Bernardo do Campo (SP).

No exterior haverá caminhada presencial em Londres e outros eventos online devido aos protocolos da pandemia.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp