Internacional

Maduro denuncia que EUA e Colômbia planejaram “banho de sangue” na Venezuela

Brasil de Fato – O presidente venezuelano Nicolás Maduro deu uma coletiva a meios de comunicação internacionais para comentar os resultados das eleições legislativas do último domingo (6), quando o governo retomou a maior parte das cadeiras da Assembleia Nacional.

Além de comentar os resultados do pleito, o mandatário revelou que teve de alterar seu local de votação de última hora para proteger-se de um atentado. ”Recebi informação de inteligência da Colômbia de que iriam tentar me assassinar no dia das eleições. Inclusive de que Iván Duque havia participado desses planos”, declarou, fazendo referência ao presidente do país vizinho.

O chefe de Estado também afirmou que, desde o dia 22 de setembro, a Venezuela manteve vigente um plano de defesa, para impedir supostos planos desestabilizadores promovidos pela gestão de Donald Trump, em cooperação com a Colômbia e União Europeia.

Segundo Maduro, o plano descoberto pela inteligência venezuelana falava em um “Outubro vermelho”, com ações para gerar um banho de sangue no país e tinha como objetivo assassiná-lo, além de impedir a realização das eleições parlamentares.

“Fizeram tudo que podiam fazer, criaram focos em setembro, mas nunca conseguiram, graças às instituições democráticas e à unidade do nosso povo”, declarou o presidente.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você