Brasil

Metade dos bebês que têm de corrigir cardiopatias fica sem atendimento

 Por Alana Gandra – Repórter da Agência Brasil – Rio de Janeiro

Metade dos recém-nascidos que precisariam de uma cirurgia para correção de cardiopatia congênita ficam sem atendimento no Brasil, conforme dados da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp). A entidade estima, porém, que o percentual pode ter se elevado para 70% durante a pandemia da covid-19.

 

 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 130 milhões de crianças em todo o mundo têm alguma cardiopatia congênita.

 

 

De acordo com o Ministério da Saúde, no Brasil, são dez casos a cada mil nascidos vivos, ou uma criança a cada 100 nascimentos tem malformação cardiovascular.

 

 

Segundo o site da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), é o equivalente a cerca de 30 mil crianças com cardiopatia congênita por ano, das quais 6% morrem antes de completar 1 ano. Após o nascimento, as formas graves da doença podem ser responsáveis por 30% dos óbitos no período neonatal. No último domingo (12), comemorou-se o Dia da Cardiopatia Congênita.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp