menu

Bahia

13/07/2016


Autoridades lamentam morte de Luiza Helena de Bairros

A ex-ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Helena de Bairros, não resistiu ao câncer de pulmão – o qual lutava havia três meses – e faleceu na manhã de ontem (12), em Porto Alegre – cidade onde nasceu. Ela foi uma das figuras mais representativas do movimento negro e feminista na Bahia, bem como para a política brasileira com ações reconhecidas no combate ao racismo e ao machismo. Seu corpo será velado na manhã de hoje.

A morte de Luiza Bairros causou grande comoção na população baiana, sobretudo entre personalidades políticas.

Diversos políticos baianos e em nível nacional, como a presidente afastada Dilma Rousseff, lamentaram o falecimento da intelectual e ativista do movimento negro. Luiza Bairros lutava contra câncer no pulmão.

Apesar de ser natural de Porto Alegre, ela teve atuação forte na Bahia, sobretudo no comando da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial do Estado (entre 2008 e 2010), na gestão do ex-governador Jaques Wagner; e no Movimento Negro Unificado (MNU).

“Luiza foi uma incansável militante da causa negra e da democracia brasileira. Sua obra permanece viva e continua sendo um símbolo da luta contra o preconceito e em favor das melhores causas da vida política nacional”, escreveu a presidente afastada Dilma Rousseff em nota na qual lamentou a morte da ex-ministra.

O governador Rui Costa também lamentou a perda. “Negra, mulher e militante! Luiza Helena Bairros nos deixou na manhã de hoje. Sua morte é uma grande perda para o Brasil. Ex-secretária de Promoção da Igualdade Social da Bahia e ex-ministra-chefe da Secretaria de Políticas Públicas da Igualdade Racial do País, Luiza, em toda sua trajetória, prestou importantes contribuições ao povo brasileiro, lutando sempre pela igualdade racial e o combate à violência contra as mulheres”, disse Rui.
Enquanto Luiza comandava a Sepromi, Rui Costa era titular da Casa Civil de Wagner. Ele lembra a experiência com a colega. “Fomos colegas de governo, e pude acompanhar de perto os progressos conquistados em prol das mulheres baianas. Que as bandeiras defendidas por Luiza Helena sigam presentes em nossa luta, porque ainda há trabalho a fazer para acabar com a discriminação e com a violência. Deixo meus votos de pesar à família e aos amigos”, disse o governador.

Em nota, a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial lamentou a morte da ex-ministra, que comandou a pasta de 2011 a 2014. “Também em sua gestão à frente da Seppir ocorreu a efetivação de políticas de ações afirmativas. Uma delas, estabelecida pela Lei n° 12.711/2012, garantiu o acesso ao ensino superior a mais de 150 mil estudantes negros em todo o país. As universidades públicas federais e os institutos federais de educação superior ganharam em diversidade e em qualidade, com destaque para as boas notas dos alunos cotistas e o baixo índice de desistência dos cursos frequentados por estes alunos”, diz o comunicado.

Luta contra o racismo é destaque

Uma das principais personalidades brasileiras da luta contra o racismo, Luiza Bairros passou os últimos anos em viagens pelo país, fazendo palestras e trabalhando intensamente na articulação do movimento negro, atividade que desempenhava há mais de 40 anos.

Em sua passagem pelo governo federal, foi responsável por criar o Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), cujo objetivo é implementar políticas públicas voltadas a proporcionar à população negra igualdade de oportunidades e instâncias de combate à discriminação e à intolerância.

A principal forma de atuação do Sinapir, conforme defendia Luiza Bairros, é por meio da articulação com municípios e governo estaduais, através da criação de órgãos regionais para a promoção da igualdade racial.

Natural de Porto Alegre, Luiza Bairros se formou em administração pública pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e era doutora em sociologia pela Universidade de Michigan (EUA). Entre 2001 e 2005, trabalhou em programas da Organização das Nações Unidas (ONU) contra o racismo. Com residência em Salvador, Luiza Bairros foi também um dos principais nomes do Movimento Negro Unificado (MNU).

Tribuna da Bahia

Notícias relacionadas