menu

Pernambuco

09/09/2016


Casarão em art déco se torna faculdade de Direito

O casarão onde funcionou por 92 anos o Colégio Nossa Senhora do Carmo, no número 433 da Rua Barão de São Borja, Boa Vista, foi reformado após mais de dois anos em estado de abandono. O imóvel localizado dentro da 8ª Zona Especial de Preservação do Patrimônio Histórico e Cultural (ZEPH), vai abrigar, a partir de hoje, o curso de Direito da Faculdade Integrada de Pernambuco (Facipe). A cerimônia de inauguração acontece às 19h.

Com estilo arquitetônico art déco, comum no início do século 20, a estrutura principal do prédio foi mantida, mas as instalações elétricas e hidrossanitárias precisaram ser renovadas. A obra teve início há seis meses e apresentou dificuldades, justamente por se tratar de uma edificação antiga.

De acordo com o engenheiro responsável pela obra, Artur Almeida, os trabalhos de restauração e manutenção do prédio ocorreram simultaneamente, apesar das condições em que o imóvel foi encontrado. “Uma obra de restauração é diferente da construção de um prédio, onde tudo é feito em etapas. Nessa restauração, por se tratar de um prédio antigo, tivemos que adaptar algumas partes do projeto inicial, como as instalações hidrossanitárias e fiações elétricas, que estavam expostas”, explicou o engenheiro.

O projeto é de autoria do arquiteto sergipano Ezio Deda, que também priorizou a preservação das artes sacras presentes, mantendo o estilo arquitetônico. “É um imóvel que tem relações afetivas importantes com a cidade do Recife. Muitas gerações se formaram aqui”, revelou. Segundo ele, as antigas imagens sacras em estuque foram restauradas e retornarem aos nichos do salão do auditório, assim como um antigo crucifixo que foi restaurado para ser instalado em um nicho específico localizado no pátio coberto.

Com a reforma, as obras de arte voltarão a ser exibidas. Um painel com pintura religiosa em cerâmica foi preservado e uma réplica da obra Coluna de cristal do artista plástico Francisco Brennand ficará exposta na área chamada de Jardim dos Artistas. “O conceito do projeto buscou se apropriar de elementos de valorização da cultura local, notadamente perceptíveis nas peças de artesanato, obras de arte de artistas locais e painéis em homenagem a marcantes personalidades pernambucanas”, comentou o arquiteto.

Além de abrigar a faculdade de direito da Facipe, o prédio também vai receber uma unidade do Procon, considerada a mais moderna do estado, uma sala para defensoria pública e um espaço para conciliação. A expectativa é de que os três serviços atendam por mês, gratuitamente, cerca de 360 pessoas.

Diário de Pernambuco

Notícias relacionadas