menu

Piauí

11/04/2016


Empresários do PI espalham outdoors contra impostos e defendendo impeachment

O empresariado do Piauí está promovendo a campanha "Não vamos pagar o pato", contra os impostos e a falta de incentivo do governo ao comércio e industria, que geram empregos. O presidente da Associação Industrial do Piauí (AIP), Joaquim Costa Filho, disse que os empresários estão contra o aumento de impostos e a criação da nova CPMF.

"A carga tributária já ultrapassa 40%. A cada R$ 100,00, R$ 40,00 vai para o cofre do governo e não tem retorno em benefícios ou empregos. Chegamos ao limite", advertiu, dizendo que a crise política parou a economia e o país está sem governo.

Em Teresina foram espalhados vários outdoors sobre a campanha. Os empresários divulgam os valores dos impostos pagos em cada item adquirido pelo consumidor. E eles reforçaram a campanha alegando que "quem votar a favor do aumento de impostos, a favor da CPMF, vai estar contra o povo e isso vai ser divulgado".

Outros outdoors defendem o impeachment da presidente Dilma e mobilizam os deputados pelo voto a favor do afastamento. Segundo Joaquim Costa Filho, de forma geral o setor constatou que 38% do PIB é referente à cobrança de impostos. E, em contraponto, os serviços de educação, saúde e segurança são os piores. "Nem nós e nem a população aguenta mais isso. O economista Arthur Lasser, da Califórnia, fez um estudo técnico dizendo que quando a carga tributária se torna insuportável, quanto mais se aumenta a alíquota, mais se diminui a arrecadação", comentou.

O presidente da AIP destacou que o valor dos produtos aumenta e junto com ele aumenta a sonegação e a informalidade. E quem paga imposto é o povo, que não vê retorno nenhum. E cada vez mais a União, os estados, e os municípios precisam de mais recursos para manter o funcionamento da máquina pública.

REDUÇÃO DO ESTADO

A solução, de acordo com Joaquim Costa, é reduzir o tamanho do Estado, o número de ministérios e de cargos comissionados. "É preciso ajudar o pais a crescer. Temos um déficit publico que só aumenta e a maquina publica está cada vez mais pesada", diz.

Existe uma interação entre entidades como a Associação Industrial, a Federação da Industrias do Estado do Piauí (Fiepi), a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Associação dos Jovens Empresarios (AJE) e a Federação do Comércio (Fecomercio) com o mesmo intuito de defender a redução dos gastos públicos e da carga tributária.

DESONERAÇÃO DE IMPOSTOS

"O Governo poderia seguir o exemplo da Argentina, que estava numa situação pior que a do Brasil, e o presidente Macri fez uma reforma para desonerar os impostos e excluiu a cobrança de impostos dos produtos nacionais voltados para a exportação. Ele reduziu os custos públicos e em pouco tempo teve resultados", assinalou.

'O PAÍS PAROU'

Ele ressaltou que o trabalho destas instituições será mostrar para a população que os impostos estão desagregando a economia e onerando as empresas, comprometendo a indústria nacional, inclusive promovendo o desemprego. "Nós vamos ter uma reunião com as bancadas de cada estado mostrando isso. Vamos à Câmara e ao Senado apresentando as estatísticas. O país parou. Só se pensa em impeachment. Estamos sem clima para tratar destes assuntos, mas é necessário. Nós estamos pagando o pato e isso não é mais possível. O país está parado por conta de uma crise política que parou também a economia e estamos afundando. Não temos mais governo", finalizou o presidente da AIP.

Fonte: 180 Graus

Notícias relacionadas