menu

Nordeste

22/05/2020


Flávio Dino diz que reabertura gradual do comércio no Maranhão será uma ‘experiência’

Governador do Maranhão disse que, caso ocorra a segunda onda de infecção pelo novo coronavírus, decreto será revogado e medidas rígidas poderão ser implementadas novamente no estado

Em pronunciamento nas suas redes sociais, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), falou sobre a reabertura gradual do comércio a partir da próxima semana. Ele afirmou que a ação será uma experiência e caso ocorra a ‘segunda onda’ de infecção pela Covid-19, o decreto poderá se revisto e medidas mais rígidas poderão ser implementadas novamente no estado.

“Temos indicadores que possamos fazer uma tentativa de reabertura, mas não há 100% de certeza e não há precedentes. Se houver a chamada de ‘segunda onda’, haverá a revisão do decreto e a volta de medidas mais rígidas no estado inteiro ou por regiões. A situação concreta é menos grave do que há duas semanas atrás, mas ela ainda não está 100% ratificada”, disse Dino.

Interior do estado
O governador disse que ainda há muitos desafios de controle da doença no interior do estado, já que a curva de infecção pela Covid-19 está em alta em alguns municípios. Já em relação a Grande Ilha de São Luís, ele afirmou que há uma tendência de estabilização e que as medidas como o ‘lockdown’ (bloqueio total) e o rodízio de veículos ajudaram na queda dos indicadores.

Flávio Dino aproveitou a ocasião para anunciar que ainda nesta quinta, serão implementados dez novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusivos para tratamento da Covid-19 em Imperatriz, segunda maior cidade do Maranhão. O município alcançou nesta quinta-feira (21) a taxa de ocupação máxima de leitos.

Por conta do crescimento de casos no interior, o governo considera adotar em breve, medidas mais rígidas em Imperatriz e em cidades que estão apresentando altos números de infecção pelo novo coronavírus. Somente em Imperatriz, já foram registrados mais de 1,1 mil casos de Covid-19, de acordo com o último boletim da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

“Há uma tendência de forte ascensão em outras regiões, manteremos a vigilância máxima porque temos uma situação extremamente grave. Teremos semanas bastante duras, mas acreditamos que com a ajuda de muitos métodos e pessoas podemos vencer o coronavírus”, afirmou Dino.

Notícias relacionadas