menu

Brasil

22/10/2013


Flica movimenta o Recôncavo baiano

BAHIA


Destaques
Copa das Confederações
Metrô de Salvador
Flica movimenta o Recôncavo baiano
Gabriele Galvão | 22/10/2013 – 03:31

Desta quarta-feira até sábado, acontece a terceira edição da Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica), em Cachoeira, distante 110 quilômetros de Salvador. O evento gratuito terá nomes como os internacionais Kierras Kass, Sylvia Day, e Jean Claude Kaufmann, e nacionais como Laurentino Gomes, autor do best-seller “1808 – Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil” também participam do evento literário, que conta ainda com a presença de autores baianos como Elieser Cesar, Karina Rabinovitz, Állex Leila, Tom Correia e a historiadora Maria Hilda Baqueiro Paraíso. Os shows musicais ficam por conta da Orquestra Sinfônica da Bahia (OSBA), Gêge Nagô, Saulo, Sarau do João e Armandinho, além de uma programação voltada para o público infantil, na Fliquinha.

Para falar do romance mais famoso de Cristovão Tezza (“O filho eterno”, de 2007) que foi traduzido em seis línguas e levou os prêmios Jabuti de melhor romance, Bravo! de melhor obra, Portugal-Telecom de Literatura em Língua Portuguesa (1° lugar) e Prêmio São Paulo de Literatura, melhor livro do ano e de outras obras o autor estará na abertura da terceira edição da Festa Literária Internacional de Cachoeira, nesta quarta-feira, às 19h, na mesa “Enfrascar o Cotidiano”. Na festa, ele apresenta o mais novo livro, “Um operário em férias”, uma coletânea de crônicas, que foi lançado em maio (2013). O escritor gaúcho, dono de diversos prêmios de literatura, Fabricio Carpinejar também participa da mesa “Enfrascar o Cotidiano” junto ao também premiado Cristovão Tezza, com mediação do ator e apresentador Jackson Costa. A programação das mesas e autores convidados está disponível no site da Flica (www.flica.com.br).

Com coordenação geral e realização da Icontent/Rede Bahia e de Marcus Ferreira, da CALI – Cachoeira Literária e curadoria do vice-Presidente do Conselho de Cultura da Bahia, Aurélio Schommer, e o escritor Emmanuel Mirdad, da Mirdad Gestão em Cultura, a Flica tem Patrocínio da Oi e Coelba, através do Fazcultura, uma parceria entre a Secretaria da Fazenda e Secretaria da Cultura, do Governo do Estado da Bahia, Terra de Todos Nós.

Fliquinha

As atividades da Fliquinha, espaço localizado no Centro Paroquial Matilde Carolina Leoni e destinado especialmente às crianças trará como tema “História em Quadrinhos”. O folclore infantil brasileiro será debatido no espaço reservado às crianças, por meio da cantora e pesquisadora Nair Spinelli, a Nairzinha (como carinhosamente é conhecida), nesta sexta-feira, às 11h. Cantora, compositora, assistente social e pesquisadora do folclore infantil brasileiro há 40 anos, Nairzinha é idealizadora do Cirandando-Brasil. O programa resgata, atualiza e devolve a cultura da brincadeira brasileira para crianças, seus pais e professores.

No dia 26, às 17h30, será apresentada a peça “Alvorocinho: Diversão à Máxima Potência”, espetáculo também improvisado, só que direcionado para temáticas infanto-juvenis. Em Alvorocinho, o público decide os locais, temas, heróis e vilões, e cria as suas próprias histórias, podendo até subir no palco e encená-las. Após a apresentação da montagem, às 18h, será realizada a premiação do concurso de pinturas sobre o tema “Uso racional e seguro da energia elétrica”, realizado pela Secretaria Municipal de Educação de Cachoeira, entre alunos de 6 a 10 anos de idade. Serão premiados os três melhores desenhos. Os autores vencedores receberão tablets e as respectivas escolas receberão kits de livros e vídeos educativos, notebook e datashow. Todas as telas feitas pelos alunos estarão expostas no espaço da Fliquinha.

Atrações musicais

A abertura da programação da Flica será com “Uma Tarde em Veneza”, da OSBA, sob a regência do maestro Carlos Prazeres no dia 23, às 18h, na Igreja da Ordem 1ª do Carmo, no Conjunto do Carmo. “Uma Tarde Em Veneza” destaca criações de dois grandes compositores do período Barroco, nascidos na famosa cidade italiana: Alessandro Marcello (1673-1747), com o Concerto para oboé e cordas em ré menor, e Antonio Vivaldi (1678-1741), com o clássico As Quatro Estações. A diferença nesta nova apresentação fica por conta da participação especial do ator e apresentador Jackson Costa que, para entrar num clima mais literário, recitará poemas durante a apresentação.

No segundo dia de festa (24), o cantor Saulo, faz uma apresentação intimista com voz e violão, às 18h, no Pátio do Telão e no mesmo dia e local, às 22h, o público aprecia o espetáculo de Gêge Nagô e um coral africano que recria o estilo musical afrobarroco, que traduz os cantos e ritmos das senzalas em seus momentos de folguedo (sambas-de-roda) e também em seus momentos ritualísticos (candomblé), deixando à mostra todo sincretismo cultural religioso, revelado de maneira brilhante em suas músicas.

Na sexta-feira (25) é dia do Sarau do João, uma criação de João Américo, um dos especialistas mais respeitados e requisitados quando se trata de sonorização profissional. Apaixonado por música e por músicos, há 30 anos, João reúne artistas e platéia de todos os gêneros: poetas, cantores, compositores e instrumentistas geniais que a Bahia possui para o “Sarau do João”. A festa será encerrada no sábado (26), às 22h, com show de Armandinho em Homenagem a Dorival Caymmi.
 

 

iG Bahia

Notícias relacionadas