menu

Política

26/09/2013


Humberto Costa defende reforma política e critica a ‘indústria de partidos

Novos Partidos

O senador Humberto Costa (PT-PE) voltou a defender, na tarde desta quinta-feira (26), uma ampla reforma política, com revisão de regras eleitorais e de normas de organização partidária. Em discurso no Plenário, o senador criticou o que chamou de “indústria de criação de partidos” e citou matérias da imprensa sobre um suposto “troca-troca” de legendas entre “deputados de aluguel”, por conta de partidos criados nos últimos dias.

– É algo absolutamente inaceitável, que envergonha o Congresso e o país. Precisamos acabar com esse balcão de negócios que virou a vida política brasileira – disse.

Humberto Costa lamentou o fato de a Câmara dos Deputados não apreciar a minirreforma eleitoral aprovada pelo Senado na semana passada (PLS 441/2012). O senador reconheceu que não era a reforma que todos queriam, mas apontou que a proposta contém avanços que poderiam diminuir os custos da campanha e tornar a disputa mais democrática. Ele não poupou críticas nem mesmo ao PT da Câmara, que obstruiu a votação, colaborando para que o projeto não fosse votado.

O senador defendeu um "amplo debate" no Parlamento e um plebiscito sobre reforma política e eleitoral. Humberto Costa também pediu o fim do financiamento de campanhas eleitorais por empresas e lembrou que recentes manifestações populares pediram mais moralidade na política.

– Apesar de toda a manifestação da sociedade brasileira, o Congresso Nacional tem se recusado a fazer esse debate – lamentou o senador.

Rádio e TV

O senador ainda cobrou do Senado a apreciação do projeto que “trata da fidelidade partidária” (PLC 14/2013). O projeto é polêmico já que, na prática, restringe o acesso de novos partidos a recursos do fundo partidário e ao tempo de propaganda de TV e rádio. A tramitação chegou a ser suspensa por decisão cautelar do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, em abril. Em junho, porém, o Plenário do STF liberou a retomada da discussão no Congresso.

Na visão de Humberto Costa, "a mídia conseguiu convencer a opinião pública" de que a proposta não era moralizadora, mas um ato de perseguição à ex-senadora Marina Silva, que tenta criar o partido Rede Sustentabilidade e se lançar candidata à Presidência da República no ano que vem.

Empregos

Humberto Costa também comemorou a queda do desemprego, que em agosto registrou índice de 5,3% na pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa é a menor desde dezembro de 2012. O número mostra, de acordo com o senador, que o Brasil está no caminho certo e em situação melhor do que muitos países da Europa, por exemplo.

– Temos aí mais uma prova irrefutável de que o Brasil continua bem e a vida dos brasileiros tem melhorado – declarou o senador, que ainda criticou parte da mídia e da oposição, que estaria “aterrorizando os brasileiros” sobre uma "suposta onda de desemprego".

iG
 

Notícias relacionadas