menu

Brasil

09/11/2018


Juiz do DF manda retirar tornozeleira eletrônica de Rocha Loures

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal em Pernambuco (MFP) anunciaram, na tarde desta quinta-feira (8), que vão abrir investigações sobre ameaças que alguns professores e estudantes da Universidade Federal de Pernambuco estão sofrendo dentro do campus no Recife.

Panfletos distribuídos dentro da UFPE mostram uma lista com nomes de alunos e docentes intitulada de “Doutrinadores e alunos que serão banidos do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) em 2019”. No fechamento, também é feita alusão ao presidente eleito Jair Bolsonaro: “o mito vem aí”.

O MPF instaurou dois inquéritos, sendo um na esfera cível e outro na criminal. Os responsáveis pelas apurações são os procuradores da República Carolina de Gusmão Furtado (cível) e Fábio Holanda Albuquerque (criminal).

De acordo com o Ministério Púlico Federal, ainda foram solicitadas à UFPE, em ambas investigações, mais informações complementares sobre os fatos num prazo de até dez dias úteis. O Ministério Púlico pede que a universidade informe se já foram identificados eventuais responsáveis pela confecção dos panfletos, se ainda há materiais expostos ou sendo distribuídos nas dependências da instituição de ensino, se será oferecido acolhimento e suporte institucional aos discentes e docentes intimidados, bem como que indique quais foram as medidas adotadas para sanar as irregularidades.

Apesar de aberto inquérito, a Polícia Federal não deu mais detalhes sobre o caso: “recebemos o expediente da UFPE sobre ameaças que estão ocorrendo contra alguns professores e alunos em documento apócrifo, vamos iniciar os procedimentos cabíveis mas não comentamos nem nos pronunciamos sobre investigações que estão em andamento”, diz a nota emitida pela PF.

UFPE abre sindicância 

A investigação foi aberta após a UFPE formalizar um comunicado, no qual pediu esclarecimentos sobre o caso à polícia e ao Ministério Público Federal (MPF), nessa quarta-feira (7). A universidade também anunciou, por meio de nota, que abriu sindicância para apurar as ameaças.

Correio Braziliense

Notícias relacionadas