menu

Maranhão

09/09/2016


Livro infantil sobre bumba meu boi será lançado amanhã, em SL

Depois de lançar livro infantil em São Paulo, jornalista e escritor Diego Freire lançará obra em São Luís (Foto: Divulgação)

Os feitiços dos índios trouxeram o boizinho preferido de volta à vida depois que Catirina teve um daqueles desejos de grávida e fez seu marido, Francisco, matar o bicho só para que ela comesse sua língua. Da confusão nasceu o auto do bumba-meu-boi e uma das mais tradicionais festas do folclore brasileiro, celebrada em todas as regiões do país; mas também uma pulga atrás da orelha de um pequeno ludovicense, que, enquanto brincava em meio ao folguedo, perguntava-se como teria ficado o bicho: vivo, mas sem língua.

Algumas décadas depois, o jornalista e escritor estreante Diego Freire, nascido em São Luís e radicado há 10 anos em São Paulo, conta a história que inventara para os dias após a festa em comemoração à volta do boizinho preferido, quando o novilho passa a enfrentar a discriminação dos outros bichos da fazenda por "falar" com dificuldade. Imagine o problema: nem mugir como os outros bois ele conseguia. “O gato mia, o pinto pia, o cachorro late… Um boi sem mugido é um boi sem identidade”, lamenta Bumba nos versos de Freire e nas aquarelas do ilustrador Rogério Maroja.

O livro conta como o boizinho sem língua encontrou amparo em outras criaturas muito especiais: o Saci, que não tem uma perna, mas dá rasteira em qualquer dificuldade; a Mula sem Cabeça, que não tem – adivinhe – cabeça; e o Boitatá, que, bem, nem boi é. Juntos, os queridos personagens do nosso folclore dão uma lição aos bichos e aos leitores sobre como tratar as diferenças. E Bumba, que perdeu a língua, com sua fábula de superação ganhou um lugar especial na cultura popular brasileira.

Lançamento

Lançado pela Editora Empíreo na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, no último domingo (4), “Bumba, nosso boi” chega agora à terra natal do autor e do boizinho para um lançamento especial. Amanhã, às 18h, no São Luís Shopping (loja 338, térreo), será feita sessão de autógrafo com o escritor e o ilustrador e contação da história com música e brincadeiras, conduzida por artistas do Conservatório Dramático e Musical de Tatuí. Os versos do livro foram musicados pelo instrumentista Rafael Gandolfo Scherk e pela cantora e professora de dança popular Estela Manfrinato, que apresentarão sua versão da história na abertura do evento.

Homenagens

A versão musical do livro que será apresentada no lançamento conta com a toada “Urrou do Boi” como uma das músicas incidentais. Uma lei estadual (5.299, de 12 de dezembro de 1991) determina que a toada, composta por Coxinho e considerada Hino Cultural e Folclórico do Maranhão, seja executada em todo evento cultural e artístico em território maranhense; mas os músicos do conservatório não sabiam disso quando a escolheram.

“Rafa e Estela se juntaram a nós de forma voluntária assim que conheceram o livro e tiveram toda a liberdade para fazer sua versão. Foi uma emoção ser surpreendido, logo no primeiro ensaio, pela toada de Coxinho, que marcou minha infância e a de tantos maranhenses. Espero que nossa história possa contribuir, de alguma forma”, conta o autor.

O lançamento também presta homenagem a outra importante personalidade da cultura popular: o cantor, compositor e percussionista Papete, morto no último mês de maio. O lançamento de “Bumba, nosso boi” na capital maranhense tem o apoio do São Luís Shopping, que preparou um espaço exclusivo para o evento, além do restaurante de culinária mexicana Soft Tacos e da empresa de comunicação visual Ideia Criativa. Parte da renda arrecadada com as vendas do livro será destinada a eventos de contação da história em escolas, centros de cultura, hospitais e diversos outros espaços.

Imirante

Notícias relacionadas