menu

Brasil

26/05/2017


TCU decide investigar megapropina de Temer

O Tribunal de Contas da União retomou a investigação de um contrato da Odebrecht com a Petrobras que atinge diretamente Michel Temer.

Fechado em 2009 por US$ 825 milhões, o acordo consiste na prestação de serviços de segurança e meio ambiente para unidades da Petrobras no exterior.

De acordo com dois delatores da Odebrecht, foi acertada uma propina de US$ 40 milhões para o PMDB, numa reunião presidida por Temer.

Em seu primeiro mandato, logo que soube do superfaturamento, a presidente Dilma Rousseff determinou à então presidente da Petrobras, Graça Foster, que reduzisse o contrato em 43%. Segundo o relato de Márcio Faria, número dois da Odebrecht, Graça Foster soube do pagamento ao PMDB antes mesmo de o contrato ser assinado e pediu explicações a Marcelo Odebrecht. O ex-presidente da empreiteira disse que não sabia quem eram os pemedebistas que estavam recebendo do dinheiro. O objetivo era saber se Temer estava entre os beneficiários.

Preso em Curitiba, Eduardo Cunha tentou questionar Temer sobre este contrato, mas suas questões foram vetadas pelo juiz Sergio Moro.

Notícias relacionadas