menu

Internacional

23/08/2018


Venezuelanos compram carne estragada para poder consumir proteína

Moradores de Maracaibo, na Venezuela, estão fazendo fila para comprar carne estragada depois que nove meses de blecautes provocaram panes em refrigeradores e açougueiros passaram a oferecer o produto em promoções.

Algumas pessoas passam mal ao consumir a carne, mas, com a grave crise econômica do país, assumem o risco porque este é o único jeito através do qual conseguem comprar algum tipo de proteína.

“Cheira um pouco mal, mas você enxagua com um pouco de vinagre e limão”, diz Yeudis Luna, pai de três meninos que comprava pedaços escurecidos em um açougue da segunda maior cidade da Venezuela.

Os venezuelanos enfrentam a pior crise econômica da história do país. Serviços básicos como água tratada e eletricidade se tornaram luxos.

O presidente Nicolás Maduro atribui as dificuldades à uma guerra econômica desencadeada pelos Estados Unidos e outros poderes capitalistas. O governador do estado de Zulia, onde fica Maracaibo, Omar Prieto, recentemente afirmou que os frequentes blecautes estavam sendo reparados, mas o alívio ainda não chegou.

A extensa cidade portuária de Maracaibo, às margens de um vasto lago, já serviu como um centro de produção do petróleo da Venezuela, produzindo cerca de metade do petróleo bruto do país, despachado para o mundo todo.

Uma ponte sobre o Lago Maracaibo permanece como um lembrete dos tempos melhores. A longa estrutura de oito quilômetros, construída há cinco décadas, antigamente brilhava durante a noite com milhares de luzes, ligando a cidade ao resto da Venezuela. Maracaibo era limpa e fervilhava com restaurantes internacionais.

Hoje, as luzes da ponte não brilham mais e as plataformas de petróleo quebradas se espalham pelo lago com as margens encharcadas de óleo. Os antigos shopping centers luxuosos se transformaram em ruínas e os negócios internacionais foram embora.

Notícias relacionadas