menu

Brasil

15/10/2013


Via Expressa fica pronta em 15 dias

NA BAHIA

Daqui a 15 dias a Via Expressa Baia de Todos os Santos estará sendo aberta para o tráfego. A previsão é do governador Jaques Wagner, que ontem pela manhã, visitou a obra que está em fase de conclusão. Atualmente a via recebe os últimos retoques na parte de acabamento, construção de passarelas, paisagismo e limpeza dos espaços em uso desde a primeira fase da construção. Com a entrega da via, que vai retirar o tráfego pesado das avenidas Bonocô e San Martim, o impacto no trânsito de Salvador será positivo, inclusive no item segurança.
Ao circular pela Via Expressa, o motorista terá uma redução de 3,2 quilômetros no trajeto da BR 324 ao Porto de Salvador. Dos 7,497 que o motorista roda hoje, com a via, o trajeto diminui para 4,297. A Via Expressa perpassa Água de Meninos, Ladeira do Canto da Cruz, Estrada da Rainha, Largo Dois Leões, Avenida Heitor Dias, Rótula do Abacaxi, Ladeira do Cabula e Acesso Norte. São 10 faixas de tráfego – sendo seis para tráfego urbano e quatro exclusivas para veículos de carga, três túneis, 14 elevados, quatro passarelas, além de ciclovia, pista de rolamento e passeios.

Intervenção viária
Para o governador Jaques Wagner, esta é a maior intervenção viária dos últimos 30 anos. “É uma obra monumental, que integra o conjunto de obras estruturantes que o governo do estado está executando na capital baiana, para reduzir gargalos crônicos no trânsito. Vai permitir ao motorista que estiver na cidade Baixa e queira ir para a Paralela, usar as faixas e o túnel designado para o tráfego urbano, saindo diretamente na Luís Eduardo. Isto vai aliviar bastante a zona do Iguatemi”, salientou Wagner.
Se na estrutura viária de hoje trafegam na Bonocô (da Fonte Nova para o Iguatemi) cerca de 2.030 veículos de carga por dia – sendo 1569 caminhões e 461 carretas, com a Via Expressa em funcionamento, o fluxo estimado é de pelo menos 3.500 veículos de carga por dia. Somam-se a esses caminhões e carretas que circularam no novo elo logístico integrador outros 59,5mil veículos leves e ônibus, o que deve gerar uma média de 63 mil veículos por dia, liberando o trânsito e diminuindo os congestionamentos que existem hoje.
A obra teve investimento total de R$480 milhões, em parceria estabelecida pelo governo do Estado, por meio das secretarias de Desenvolvimento Urbano (Sedur) e de Infraestrutura (Seinfra), com o Governo Federal. A execução ficou por conta da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder).
Projetada inicialmente para ser uma via portuária, a Via Expressa evoluiu para uma intervenção abrangente, se consolidando como um elo logístico integrador de acesso ao Porto de Salvador. A demora de conclusão na obra foi por conta de vários problemas que aparecem normalmente quando se mexe no tecido antigo da cidade, como foi o caso da Via Expressa. Segundo o secretário de Desenvolvimento Urbano (Sedur), Cícero Monteiro, “por conta dos problemas encontrados, em redes de esgoto, de água e energia, foram necessárias várias obras complementares. Só desapropriações foram cerca de 653”, esclareceu.
Visita das autoridades
O governador Jaques Wagner, o ministro dos Transportes, César Borges, e os secretários estaduais de Desenvolvimento Urbano, Cícero Monteiro, e da Casa Civil, Rui Costa, visitaram na manhã desta segunda-feira (14) a Via Expressa Baía de Todos-os-Santos. Acompanhados da imprensa e outras autoridades, eles saíram da Rótula do Abacaxi e seguiram pelas novas pistas até os novos túneis que ligam a Cidade Alta e a Cidade Baixa, na altura do porto de Salvador.
Maior intervenção viária em Salvador nos últimos 30 anos, a Via Expressa cria uma nova opção de mobilidade que muda a forma como carros e veículos de carga se deslocam por alguns pontos da cidade, segundo o governador.
“São três túneis e 10 pistas que abrem caminhos. Quem sair do Comércio para a Paralela, por exemplo, não vai mais precisar passar pelo Iguatemi e fazer esse contorno todo que faz hoje. É só pegar a Via Expressa, sair no Acesso Norte, depois Luís Eduardo e Paralela, indo ou voltando. Isso contribui para tirar o fluxo do olho do furacão do engarrafamento que é a região do Iguatemi”, afirmou Wagner.

iG Bahia 

Notícias relacionadas