Internacional

NOVIDADE: Brasileiros ampliam participação em Fundos de Investimentos Imobiliários no exterior

Milionários brasileiros investem em média 20% de sua carteira no exterior em fundos imobiliários (FII) nos EUA, segundo a YellowFi. Participação de brasileiros na gestora norte-americana chega a 70%

São Paulo, – A participação dos fundos de hipotecas residenciais da YellowFi Management na carteira dos milionários brasileiros que investem na gestora é, em média, de 20% do total do portfólio alocado no exterior. É o que indica levantamento da gestora norte-americana, especializada nesse tipo de investimento, entre seus clientes do Brasil. Essa participação é significativa de uma mudança de comportamento do investidor brasileiro e mostra a ampliação da carteira no exterior para opções e produtos de investimentos alternativos e que possuam real efeito de diversificação e baixa correlação com o Brasil.

Os fundos da YellowFi têm tido crescimento na participação de investidores brasileiros entre seus investidores. Os brasileiros chegaram este ano a ser 70% dos clientes da administradora de recursos, após se expandir de 33% em 2018 para 52% em 2020.

O Brasil passou um grande período com juros básicos de dois dígitos, o que acabou levando o investidor nacional a se acomodar nos investimentos em títulos públicos do país. No entanto, a queda dos juros anuais para um dígito nos últimos anos levou a um retorno não tão atraente e, paralelamente, as plataformas independentes oferecem oportunidade para mais diversificação. O investidor consegue opções de investimento em moedas menos voláteis e países com ambientes econômicos mais estáveis e de menor risco, como os Estados Unidos.

“O investidor brasileiro ainda é muito fechado”, diz Cássio Segura, vice-presidente executivo da gestora de recursos, e que foi CEO do Banco do Brasil Americas.“Mesmo quando saía, o investidor de alta renda continuava apostando em papéis de empresas brasileiras, as mesmas empresas que já conhecia. Isso mudou. Agora, o brasileiro está mais disposto a diversificar e buscar uma carteira mais global, não ficando só no risco Brasil.”

Os clientes da gestora, todos milionários, têm uma participação de seus investimentos no exterior acima da média do Brasil, que é de 5%. Este percentual ainda é baixo em relação a outros países, compara o executivo.

“Os EUA, a Europa, o Japão e mesmo a China, institucionalmente, todos investem muito mais no exterior que o Brasil”, afirma ele, que foi CEO do Banco do Brasil Americas.

Essa comparação com outros países é um dos motivos pelos quais, Segura vê muito espaço para crescimento da diversificação de carteiras e considera desejável para o Brasil que isso aconteça.

Na avaliação de Segura, antes faltava ao investidor confiança para explorar mercados desconhecidos. O movimento dependia da credibilidade de uma marca forte por trás e já vinha sendo feito pelos grandes bancos de forma mais tímida, mas ganhou notoriedade com a popularização das plataformas independentes de investimento.

Os Estados Unidos é visto como mercado promissor pelo investidor brasileiro. O estímulo dos gastos do governo, o consumo das famílias e os investimentos em residências contribuíram para um crescimento anualizado de 6,4% no primeiro trimestre deste ano, o segundo maior desde o terceiro trimestre 2003. A taxa de desemprego por lá segue em declínio, tendo caído para 5,8% em maio, bem abaixo do pico de 14,7%.

Sobre a YellowFi

A YellowFi iniciou suas atividades em 2010 comprando imóveis residenciais em penhora e conjuntos residenciais nos Estados Unidos. Desde 2012, concentrou-se no crédito imobiliário e passou a atuar em dois níveis. Em um deles, financia compradores de imóvel no país. Em outro, oferece a oportunidade a quem quiser investir nos EUA por fundos imobiliários. Com investimento inicial a partir de US$10 mil, o fundo Brickell Bay Mortgage Opportunity tem sido a porta de entrada para que brasileiros invistam em hipotecas residenciais nos Estados Unidos. Mais recentemente, passou a oferecer outra oportunidade para diversificar ativos no exterior com outro fundo sob sua gestão, o FUND32, que investe em créditos da incorporadora norte-americana D32, que tem o ex-goleiro Doni Marangon como sócio.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp