INTERNACIONAL

OMS alerta sobre falsificação de medicamento usado para diabetes e perda de peso no Brasil

Agência de saúde da ONU aponta que três lotes falsificados de semaglutidas da marca Ozempic foram identificados no Brasil, Reino Unido e EUA; produtos adulterados podem causar complicações de saúde; OMS recomenda interromper o uso e relatar às autoridades.

 

A Organização Mundial da Saúde, OMS, emitiu um alerta sobre semaglutidas falsificadas, medicamento usado para o tratamento de diabetes tipo 2 e obesidade em alguns países.

 

O aviso trata de 3 lotes falsificados de produtos da marca Ozempic, que foram detectados no Brasil em outubro de 2023, no Reino Unido em outubro de 2023 e nos Estados Unidos em dezembro de 2023.

 

Falsificação de semaglutida 

 

O Sistema de Vigilância e Monitoramento Global da OMS tem observado um aumento nos relatos de produtos falsificados de semaglutida em todas as regiões geográficas desde 2022. Este é o primeiro aviso oficial emitido pela OMS após a confirmação de alguns dos relatórios.

 

A diretora-geral assistente da OMS para Medicamentos Essenciais e Produtos de Saúde, Yukiko Nakatani, explicou que a agência de saúde da ONU aconselha profissionais de saúde, autoridades reguladoras e público a estarem cientes desses lotes falsificados de medicamentos.

 

Ela ainda pediu que o uso de qualquer uso de medicamentos suspeitos seja interrompido e informado às autoridades competentes.

 

Escassez de suprimentos e aumento da falsificação

 

As semaglutidas, incluindo o produto de marca específica que foi falsificado, são prescritas a pessoas com diabetes tipo 2 para reduzir os níveis de açúcar no sangue.

 

O produto também reduz o risco de eventos cardiovasculares. A maioria dos semaglutidas deve ser injetada sob a pele semanalmente, mas também estão disponíveis na forma de comprimidos tomados por via oral diariamente.

 

Esses medicamentos demonstraram suprimir o apetite, além de reduzir os níveis de açúcar no sangue e, portanto, estão sendo cada vez mais prescritos para perda de peso em alguns países.

 

A OMS tem observado o aumento da demanda por esses medicamentos, bem como relatos de falsificação. Esses produtos falsificados podem ter efeitos prejudiciais à saúde das pessoas; se os produtos não tiverem os componentes brutos necessários, os medicamentos falsificados podem levar a complicações de saúde resultantes do descontrole dos níveis de glicose no sangue ou do peso.

 

Em outros casos, outro ingrediente ativo não declarado pode estar contido no dispositivo de injeção, por exemplo, insulina, levando a uma gama imprevisível de riscos ou complicações à saúde.

 

 

OMS dstaca que algumas empresas já se comprometeram em baixar os preços da insulina.
OMS dstaca que algumas empresas já se comprometeram em baixar os preços da insulina. Foto: OMS/Opas/Sebastián Oliel

Diabetes

 

As semaglutidas não fazem parte dos tratamentos recomendados pela OMS para o controle do diabetes devido ao seu alto custo atual.

 

A barreira do custo torna esses produtos inadequados para uma abordagem de saúde pública, que visa a garantir o mais amplo acesso possível a medicamentos em nível populacional e a encontrar um equilíbrio entre o padrão de tratamento mais bem estabelecido e o que é viável em larga escala em ambientes com recursos limitados.

 

Além disso, há tratamentos mais acessíveis disponíveis para o diabetes, com efeitos semelhantes aos da semaglutida sobre o açúcar no sangue e o risco cardiovascular.

 

A OMS está trabalhando atualmente em uma diretriz de aconselhamento rápido sobre o possível uso de GLP-1 RAs, incluindo semaglutidas, para o tratamento da obesidade em adultos e como parte de um modelo mais abrangente de atendimento.

 

O termo GLP-1 RAs significa agonistas do receptor do peptídeo-1 semelhante ao glucagon, que inclui semaglutidas, para uma classe de medicamentos usados no tratamento do diabetes para reduzir o açúcar no sangue e apoiar a perda de peso.

 

Ação individual

 

Para se protegerem de medicamentos falsificados e de seus efeitos nocivos, os pacientes que estão usando esses produtos podem tomar medidas como comprar medicamentos com prescrições de médicos licenciados e evitar comprar medicamentos de fontes desconhecidas ou não verificadas, como as que podem ser encontradas on-line.

 

As pessoas devem sempre verificar a embalagem e as datas de validade dos medicamentos quando os compram e usar os produtos conforme prescrito. No caso das semaglutidas injetáveis, os pacientes devem garantir que elas sejam armazenadas na geladeira.

 

*Com informações da ONUNEWS


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp