Pernambuco

PF diz não ter identificado a participação de movimentos sociais em invasão de residencial de PE citada por Bolsonaro em rede social

No vídeo compartilhado pelo presidente da República no domingo, narrador diz que invasão teria sido feita pelo MTST. Além da PF, a prefeitura e o próprio movimento social negam a história.

 

Polícia Federal afirmou não ter identificado a participação de movimentos sociais na invasão e depredação em um conjunto habitacional,em Santa Cruz do Capibaribe, município do Agreste de Pernambuco, no mês de setembro. A afirmação contraria vídeo postado em rede social pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), na noite de domingo (17).

No material postado no Twitter, o narrador diz que as ações de vandalismo são do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST):

“Mais uma vez, o MTST, um dos braços do Movimento Sem Terra, mostra sua crueldade e selvageria, muito influenciado por partidos de esquerda, muito provavelmente influenciado por partidos de esquerda, invadiram um residencial que seria entregue à população até o final do ano. Depredaram, queimaram e danificaram o patrimônio do povo, que estava prestes a garantir a sua moradia”.

 

No entanto, as investigações da PF não identificaram a participação de nenhum dos grupos nas ações. Confira a nota na íntegra:

 

“A Polícia Federal informa que existe inquérito em andamento em Caruaru sobre as ocupações que ocorreram em Santa Cruz do Capibaribe, mas até o momento não foi identificada a participação de partidos políticos e/ou movimentos sociais em qualquer ocorrência sobre esse caso. As invasões foram feitas no dia 29 de agosto e nesse caso como em tantos outros são feitas de forma repentina. E quando isso aconteceu a PF e outros órgãos de segurança só podem agir depois de ordem da justiça de reintegração de posse”.

 

À reportagem, a comunicação da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe também disse que não identificaram nenhum membro de movimento social na invasão. Além disso, informaram que o residencial tem 500 casas e não 800, como mostra na publicação feita pelo presidente da República.

Em nota, o MTST negou participação na invasão do residencial e repudiou o vídeo. Além disso, o movimento afirmou que, “apesar de respeitar a história do MST e a sua importância do interior da sociedade civil organizada”, nunca foi braço do Movimento Sem Terra.

O Palácio do Planalto também foi procurado para comentar a postagem mas, até a última atualização deste texto, não respondeu à reportagem.

Grupo invadiu casas em agosto

 

No dia 29 de agosto um grupo de pessoas invadiu casas construídas para famílias carentes em Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste de Pernambuco. Os imóveis foram construídos em uma parceria entre a prefeitura e a Caixa Econômica Federal.

No dia 21 de setembro, a Justiça Federal de Pernambuco determinou a reintegração de posse em favor da Caixa, a ser cumprida com a execução pela Polícia Federal e Polícia Militar.

Durante cumprimento da decisão judicial, os policiais e guardas civis foram recebidos com pedradas pelos integrantes do grupo. Seis pessoas foram presas, mas o grupo foi liberado no mesmo dia após prestarem esclarecimentos para a polícia.

Dias após a reintegração de posse, um grupo de pessoas invadiu novamente o local, depredou e queimou algumas das casas populares. A última família deixou o residencial na segunda-feira (18), segundo informou a gestão municipal.

A empresa responsável pela obra, J3 Empreendimentos, ainda irá fazer o levantamento dos danos. A Caixa Econômica Federal também fará um relatório dos danos causados para depois dar um novo prazo de entrega do residencial.

G1PE


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp