Brasil

PGR quer ouvir ex-presidentes da Petrobras e do Banco do Brasil sobre suposta interferência de Bolsonaro

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu nesta segunda-feira (4) ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o ex-presidente da Petrobrás Roberto Castello Branco fale sobre a possível interferência de Jair Bolsonaro (PL) na empresa. A vice-procuradora-geral da República, Lindôra Araújo, também defendeu que o ex-presidente do Banco do Brasil Rubem Novaes seja ouvido. A Procuradoria se manifestou após ordem do ministro do Supremo Luís Roberto Barroso, relator de um pedido do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) para investigar uma troca de mensagens entre Castello Branco e Novaes em um grupo. As informações foram publicadas nesta segunda-feira (4) pelo portal G1.

 

Segundo Castello Branco, o celular corporativo devolvido por ele à empresa continha mensagens e áudios que podem incriminar Bolsonaro, mas não falou quais crimes.

 

A PGR quer esclarecer quais mensagens e áudios do celular corporativo que detinha, quais datas, circunstâncias e contextos foram encaminhadas ou recebidas, e pretende saber por que motivo Castello Branco não os apresentou às autoridades competentes.

 

No depoimento de Novaes, a PGR quer saber o histórico de contato com o ex-presidente da estatal, e os supostos fatos e tipos delitivos aos quais Castello Branco teria se reportado.

247


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp