Nordeste

Piauí não registra casos de variante Delta, segundo relatório de sequenciamento genético

Relatório produzido, após recebimento dos resultados do sequenciamento genético de 100 amostras de pacientes do Piauí, enviadas à FioCruz, apontam que não há registro de pessoas infectadas com a variante Delta no estado.

 

As amostras foram encaminhadas ao laboratório da fundação em Pernambuco, depois de constatada alteração na carga viral dos pacientes infectados pelo coronavírus, em exames RT/PCR. “Este sequenciamento genético no possibilita saber quais variantes circulam em nosso estado, felizmente não registramos casos de Delta no Piauí. O trabalho conjunto das autoridades em saúde com as instituições científicas é fundamental na adoção de estratégias de enfrentamento à pandemia”, destaca o secretário de Estado da Saúde, Florentino Neto.

 

Os materiais colhidos são de pacientes de várias cidades do Piauí e referentes às semanas epidemiológicas 16, 19, 20, 21, 25 e 26 e de idades que vão de 01 a 70 anos. Sendo 90% amostras representativas e 10 % de casos relevantes (pessoas vacinas, casos graves e pacientes que evoluíram a óbito).

 

“Para selecionar as amostras o Lacen-PI escolhe aquelas, que nos testes de diagnóstico de PCR, apresentam quantidades altas do vírus, pois isso aumenta a chance de o procedimento ser bem-sucedido. Além disso, as amostras devem ser representativas por semana epidemiológica, incluindo casos não graves, graves e de óbito, e assim obter uma análise geral da situação da doença no estado”, pontua a coordenadora de Epidemiologia da Sesapi, Amélia Costa.

 

Atualmente tem-se 110 amostras sequenciadas de pacientes do estado do Piauí e até o momento não houve identificação de linhagem Delta (B.1.617.2 like) em nenhum material analisado. “Por meio do sequenciamento genético das amostras é possível entender a história de um vírus, detectar suas variantes, estabelecer por onde ele passou, discutir programas de ação, atualizar vacinas e as estratégias de enfrentamento à pandemia”, explica a epidemiologista.

 

Segundo o relatório, das 100 amostras processadas foram obtidos 65 genomas com qualidade acima de 95% de cobertura e um genoma de 94%. Dentre os 66 genomas, todos foram identificados como da linhagem Gamma, também conhecida como variante P.1, onde duas amostras foram identificadas como da sublinhagem de Gamma P.1.7. “Podemos perceber que a linhagem predominante é da P.1, inicialmente detectada em Manaus, nos casos das amostras do Piauí. Atualmente esta é a variante que mais circula no Piauí e dos casos que foram para sequenciamento genético, a maioria encontra-se na nas idades de 20 a 45 anos”, disse Amélia Costa.

 

Até o momento, são reconhecidas pela Organização Mundial de Saúde as variantes Alpha (B.1.1.7), Beta (B.1.135), Gamma (P.1) e Delta (B.1.617.2). A classificação das linhagens é dinâmica e estas podem ser alteradas futuramente mediante a uma nova versão do sistema de classificação.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp