Internacional

Pilotos da Fórmula 1, Hamilton e Vettel criticam lei anti-LGBT da Hungria

Os pilotos da Fórmula 1 Lewis Hamilton (Mercedes) e Sebastian Vettel (Aston Martin) se pronunciaram contra a lei anti-LGBT do governo da Hungria, comandado pelo primeiro-ministro Viktor Orbán, aliado de Jair Bolsonaro. Neste final de semana a corrida acontece no país europeu.

 

Nas redes sociais, Hamilton manifestou apoio “quem está sendo afetado pela lei anti-LGBT criada por este governo”. “É inaceitável, covarde e errado por parte de todos que estão no poder propor uma lei assim”, disse.

 

Sebastian Vettel usou um tênis coberto com as cores do arco-íris (veja na postagem ao final da matéria). “Como um governo não consegue ver que todos devem ser livres para fazerem o que querem”, criticou o piloto em entrevista à agência de notícias AP.

 

O parlamento da Hungria aprovou em junho uma lei que associa a comunidade LGBT ao crime de pedofilia, proíbe conteúdos midiáticos e escolas sobre diversidade sexual.

 

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, a lei proíbe “disponibilizar a menores de 18 anos pornografia ou representação da sexualidade para seus próprios fins, ou que implique qualquer desvio da identidade do sexo com o qual a pessoa nasceu, ou mudança de gênero e homossexualidade”.

 

A União Europeia avisou o governo de Orbán que irá impor sanções à Hungria se o projeto virar lei.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp