Arquivo Nordeste

Por causa de crise no AM, Doria chama Bolsonaro de ‘genocida’ e presidente rebate: ‘moleque que não sai na rua e se sair, vai ser linchado’

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) trocaram acusações nesta sexta-feira (15) a respeito da crise de saúde pública enfrentada por Manaus por causa da pandemia de Covid-19. A capital do Amazonas entrou em colapso, com hospitais sem oxigênio, doentes levados a outros estados e cemitérios sem vagas.

Doria afirmou que o Congresso Nacional e a sociedade civil devem reagir ao modo como Bolsonaro tem conduzido as ações diante da pandemia. Ao se referir aos mais de 205 mil brasileiros que morreram por causa da doença, o governador paulista falou em “genocídio” por parte do presidente da República.

Bolsonaro reagiu, chamando o adversário político de “moleque” e dizendo que ele e outros governadores “querem quebrar a economia do Brasil para botar na minha conta”.

As declarações de Doria foram dadas em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, na qual ele responsabilizou o presidente pela crise no Amazonas.

“Li uma manifestação do presidente Jair Bolsonaro dizendo: ‘Fiz tudo o que estava ao meu alcance, o problema agora é do estado do Amazonas e da Prefeitura de Manaus’. Inacreditável. Inacreditável. Em outro país, isso talvez fosse classificado como genocídio. É um abandono aos brasileiros”, afirmou Doria.

“Está na hora de termos uma reação a isso. Da sociedade civil, dos brasileiros, da população do Brasil, da imprensa, do Congresso Nacional de quem puder ajudar. Ou vamos assistir a isso? Ou vamos assistir a isso por meses e achar que é isso normal, que faz parte e que a ideologia do negacionismo é aceitável?”

Mais tarde, em entrevista à Band, Bolsonaro rebateu:

“Mas, se o João Doria tivesse o mínimo de vergonha na cara, ele falaria que o Supremo Tribunal Federal me tirou de combate para as ações contra a Covid. Eu agora mereço um processo de impeachment porque estou ajudando o estado do Amazonas e eu estou proibido de agir nas causas voltadas para a Covid pelo Supremo Tribunal Federal. Eu agora estou passível em crime, sim, por estar ajudando o estado do Amazonas”.

“Agora, vem esse moleque, governador de São Paulo, me acusar de facínora. Seja homem, cara. É duro mexer com quem tem um comportamento como esse cara. […] Em São Paulo, [há] um governador medíocre, que não sai na rua. Se sair, vai ser linchado”, afirmou Bolsonaro.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você


Receba Notícias no WhatsApp